Sem visualizações, sem emprego: vida e processo de trabalho de youtubers brasileiros

Autores

  • Giulianna Bueno Denari Universidade Federal de São Carlos

DOI:

https://doi.org/10.46269/9220.627

Palavras-chave:

Trabalho;, plataforma;, YouTube; trabalho digital;, youtuber

Resumo

Este artigo busca debater o processo de trabalho dos youtubers e sua complexa relação com a plataforma. O YouTube dita o que pode ser monetizado, vende espaço de publicidade e gerencia como o público consome os vídeos, mas também o que o youtuber pode produzir. A metodologia qualitativa com análise de entrevistas e vídeos selecionados possibilita discutir como autonomia e subordinação se encontram na vivência de produtores de conteúdo. Envolvidos pela regência dos algoritmos, a complexidade do processo de trabalho se evidencia não apenas em horas trabalhadas, mas em alcance e engajamento. O discurso de uma ação que diz ser divertida e despretensiosa esconde uma ocupação que toma o indivíduo e transforma todo o seu tempo disponível em tempo de trabalho, em marca e mercadoria.

Biografia do Autor

Giulianna Bueno Denari, Universidade Federal de São Carlos

Bacharel em Ciências Sociais pela UFSCar. Mestre em Sociologia pelo Programa de Pós Graduação em Sociologia da UFSCar. Doutoranda em Sociologia pelo Programa de Pós Graduação em Sociologia da UFSCar.

Referências

AZAÏS, Christian. Zone grise d’emploi, pouvoir de l’employeur et espace public : une illustration à partir du cas Uber. Relations industrielles. Les nouvelles frontières de la relation d’emploi. Volume 72, Numéro 3, p. 433–456. 2017.

_____; DIEUAIDE, Patrick; KESSELMAN, Donaa. Zone grise d’emploi, pouvoir de l’employeur et espace public : une illustration à partir du cas Uber. In: Relations Industrielles. Volume 72, n. 3, p.433-456, 2017.

BENDASSOLLI, Pedro F; BORGES-ANDRADE, Jairo Eduardo. O significado do trabalho nas indústrias criativas. RAE, São Paulo, v. 51, n. 2, mar./abr. de 2011, p. 143-159.

BOLTANSKI, Luc; CHIAPELLO, Ève. O Novo Espírito do Capitalismo. São Paulo: Editora WMF Martins Fontes, 2009.

BRIDI, Maria Aparecida; MOTIM, Benilde Lenzi. Padrões e processos de trabalho na “indústria” da informática no Paraná: a natureza do trabalho informacional e a falácia do trabalho criativo e emancipado. In: 35º Encontro Anual da Anpocs. Caxambu, 2011.

BUREAU, Marie-Christine; CORSANI, Antonela. Du désir d’autonomie à l’indépendance, Une perspective sociohistorique. La nouvelle revue du travail. 2014. Disponível em: http://journals.openedition.org/nrt/1844 . Acesso em 20 nov 2020.

CARDOSO, Bruno; BRUNO, Fernanda; MELGAÇO, Lucas; GUILHON, Luciana; KANASHIRO, Marta (org). Tecnopolíticas da vigilância. Perspectivas da margem. São Paulo: Boitempo, 2018.

CASTELLS, Manuel. A sociedade em rede. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2011.

CORSANI, Antonella; LAZZARATO, Maurizio. Emprego, crescimento e renda: história de conteúdo e forma de movimento. Lugar Comum. No17, pp. 73-83. s/d.

DENARI, Giulianna Bueno. Discursos sobre trabalho e diversão na plataforma Youtube: novas configurações do trabalho informacional a partir de likes e visualizações. In: 42º Encontro Anual da Anpocs, 2018, Caxambu. Anais...Caxambu, Anpocs, 2018, online.

DIEUAIDE, Patrick; AZAIS, Christian. Platforms of Work, Labour, and Employment Relationship: The Grey Zones of a Digital Governance. In: Frontiers in Sociology. Volume 5, s/n; 2020. Disponível em: https://www.frontiersin.org/article/10.3389/fsoc.2020.00002. Acesso em: 20 nov. 2020.

DISNEY, Google e YouTube cancelam contratos com youtuber PewDiePie por piada antissemita. O Globo, 14 fev 2017. Disponível em: https://oglobo.globo.com/cultura/revista-da-tv/disney-google-youtube-cancelam-contratos-com-youtuber-pewdiepie-por-piada-antissemita-20923452 . Acesso 20 nov 2020.

FACIOLI, Lara; PADILHA, Felipe. Ética e pesquisa em Ciências Sociais: reflexões sobre um campo conectado. Mediações, Londrina, v. 24. n.1, p228-258, 2019.

FLICHY, Patrice, Le travail sur plateforme. Une activité ambivalente. Réseaux, 2019/1, n. 213, p.173-209. Disponível em: https://www.cairn.info/revue-reseaux-2019-1-page-173.htm . Acesso 20 nov 2020.

HÉRNANDEZ, José Angel Cerón; De LaGarza, Enrique. Os YouTubers como trabalhadores não clássicos. In: BRIDI, Maria Aparecida; LIMA, Jacob Carlos (org). Flexíveis, virtuais ou precários? Os trabalhadores em tecnologia da informação. Curitiba: Ed. UFPR, 2018, p.219-245.

HERTZOG, Lucas. Dá um like, se inscreve no canal e compartilha o vídeo. Um estudo sociológico sobre o trabalho e as novas tecnologias digitais no YouTube Brasil. 2019. 239f. Tese (doutorado). Instituto de Filosofia e Ciências Humanas. UFRGS, 2019.

HUWS, Ursula. Labor in the global digital economy. The cybertariat comes of age. New York: Monthly Review Press, 2014.

LIMA, Jacob C; OLIVEIRA, Daniela Ribeiro de. Trabalhadores digitais: as novas ocupações no trabalho informacional. Revista Sociedade e Estado. Volume 32, n.1,2017.

MARQUES, Carol. Felipe Neto é o segundo youtuber mais visto no mundo em 2019. O Globo, Extra, 05 dez 2019. Disponível em: https://extra.globo.com/famosos/felipe-neto-o-segundo-youtuber-mais-visto-no-mundo-em-2019-24120733.html. Acesso em 06 nov 2020.

MARTINS, Amanda Coelho. Criatividade, autonomia e precariedade: o trabalho dos profissionais em tecnologia da informação. DISSERTAÇÃO. Programa de Pós-graduação em Sociologia. UFSCar, São Carlos. 2016.

MATOS, Ludimila Santos. “O YouTube não liga pra gente”: agenciamentos sociotécnicos na percepção de criadores de conteúdo brasileiros para o YouTube. 2020. 282f. Tese (doutorado). Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Informação, UFRGS, 2020.

MISKOLCI, Richard. Sociologia Digital: notas sobre pesquisa na era da conectividade. Contemporânea v. 6, n. 2 p. 275-297, 2016.

OLIVEIRA, Felipe. Após post considerado racista sobre jogador, YouTuber Júlio Cocielo perde patrocinadores. Folha de São Paulo, 03 jul 2018. Disponível em: https://www1.folha.uol.com.br/mercado/2018/07/apos-post-considerado-racista-sobre-jogador-frances-youtuber-julio-cocielo-perde-patrocinadores.shtml . Acesso 20 nov 2020.

PELÚCIO, Larissa. Afetos, mercado e masculinidades contemporâneas: notas iniciais de uma pesquisa em aplicativos móveis para relacionamentos afetivos/sexuais. Contemporânea. v. 6, n. 2 p. 309-333 Jul.–Dez. 2016.

PIRES, Aline S. A “geração Y” e o discurso da flexibilidade geracional entre trabalhadores da área de Tecnologia da Informação (TI). In: 40º Encontro Anual da Anpocs. Anais...Caxambu, Anpocs, 2016.

REGO, Arménio; PINA E CUNHA, Miguel; MEYER JR, Victor. Quantos participantes são necessários para um estudo qualitativo? Revista de Gestão dos Países de Língua Portuguesa. p 43 – 57. s/d.

RIFIKIN, Jeremy. A era do acesso. A transição de mercados convencionais para networks e o nascimento de uma nova economia. São Paulo: Makron Books, 2001.

SCHOLZ, Trebor. Cooperativismo de plataforma: contestando a economia do compartilhamento cooperativa. São Paulo: Fundação Rosa Luxemburgo; Editora Elefante; Autonomia Literária, 2016.

SLEE, Tom. Uberização: a nova onda do trabalho precarizado. São Paulo: Editora Elefante, 2017.

TUBULAR. Q3 2017 State of Online Video Report. Tubular Labs. 2017.

VALENTE, Jonas. Tecnologia, informação e poder. Das plataformas online aos monopólios digitais. 2019. 400f. Tese (doutorado). Departamento de Sociologia, UnB, Brasília, 2019.

YOUTUBE faturou U$$ 15 bilhões com anúncios em 2019. Istoé, Negócios, 04 fev 2020. Disponível em: https://www.istoedinheiro.com.br/youtube-faturou-us-15-bilhoes-com-anuncios-em-2019/. Acesso em 20 nov 2020.

YOUTUBER Logan Paul causa polêmica ao filmar homem enforcado no Japão. El País, Madri, 02 jan 2018. Disponível em: https://brasil.elpais.com/brasil/2018/01/02/internacional/1514891740_277567.html. Acesso 20 nov 2020.

Publicado

2021-09-09