Permanência e resistência de estudantes oriundas de uma escola pública na universidade - interfaces entre raça, gênero e classe

Autores

  • Elen Cristina Ramos dos Santos Universidade de Brasília

DOI:

https://doi.org/10.46269/9120.538

Palavras-chave:

Gênero; Raça; Classe;, Trajetórias na universidade, Permanências e Resistências

Resumo

Este artigo tem como objetivo discutir e analisar sobre o perfil e trajetória de estudantes universitárias, oriundas de uma escola pública de Brasília. Metodologicamente optou-se por aplicação de questionários fechados e entrevistas em profundidade com 16 estudantes secundaristas e que atualmente são estudantes de graduação na Universidade de Brasília- UnB. A partir dos dados obtidos e de bibliografia ancorada nos debates de raça, gênero e classe, será abordado sobre os desafios, bem como as resistências para a permanência empenhadas pelas estudantes investigadas cujo perfil constituído majoritariamente de negras, periféricas e de contextos socioeconomicamente vulnerabilizados

Referências

ALENCAR, Vânia R. Gênero e Educação: um estudo exploratório em grupo a partir dos dispositivos de fotolinguagem. Dissertação Mestrado, Brasília: Programa de Pós-Graduação em Educação/UCB, 2017.

ALMEIDA, Tânia Mara Campos. A violência contra alunas: currículo oculto nos ambientes universitários. In: Karina Bidaseca. (Org.). Poéticas de los feminismos descoloniales desde el Sur. 1ed.Buenos Aires: Red de Pensamiento Decolonial (RPD), , v. , p. 205-229, 2008.

ÁVILA, Rebeca; PORTES, Élcio. A tríplice jornada de mulheres pobres na universidade pública: trabalho doméstico, trabalho remunerado e estudos. Estudos Feministas, Florianópolis, 2012. Disponível em http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-026X2012000300011 . Acesso em: 02.julho.2020

BAUER, Martin W., GRAKELL, George. Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som: um manual prático. Rio de Janeiro: Editora Vozes, 2002.

CARVALHO, José Jorge. Uma proposta de cotas para estudantes negros na Universidade de Brasília. Série Antropologia, 2002.

COLLINS, Patricia Hill. Pensamento Feminista negro: conhecimento, consciência e a política de empoderamento. Tradução: Jamille Pinheiro Dias 1ed. São Paulo: Boitempo, 2019.

CRENSHAW, Kimberlé. Documento para o encontro de especialistas em aspectos da discriminação racial relativos ao gênero. Traduçção de Liane Schneider. Revisão de Luiza Bairros e Claudia de Lima Costa. Santa Catarina: In:Estudos Feministas, 2002.

DAL ROSSO, Sadi, BANDEIRA, Lourdes e TRINDADE, Arthur. Apresentação. In: Sociedade e Estado. Depto. de Sociologia, UnB, Brasília. Vol.XVII, no. 2, jul/dez. pp.231-246, 2002

DEMO, Pedro. Cuidado metodológico: signo crucial da qualidade. In:Sociedade e Estado. Depto. de Sociologia, UnB, Brasília. Vol.XVII, no. 2, jul/dez. 2002.

DIAS, Sonia Maria Barbosa; DA COSTA, Silvio Luiz. A permanência no ensino superior e as estratégias institucionais de enfrentamento da evasão. In: Jornal de Políticas Educacionais v.9, n.17/18, maio. 2016. Disponível em: https://revistas.ufpr.br/jpe/article/view/38650 Acesso em: 15.julho.2019

FIGUEIREDO, Ângela. A Marcha das Mulheres Negras conclama para um novo pacto civilizatório: descolonização das mentes, dos corpos e dos espaços frente às novas faces da colonialidade do poder. In: Decolonialidade e Pensamento Afrodiaspórico/ Organizadores: Joaze Bernardino Costa, Nelson Maldonado torres, Ramón Grosnfoguel. 1 ed. Bleo Horizonte: Autentica Editora, 2018.

FONAPRACE/ANDIFES V Pesquisa Nacional do Perfil Socioeconômico e Cultural dos(as) Graduandos (as) das IFES. FONAPRACE/ANDIFES: Brasília, Maio, 2019.

FREITAS, Viviane Gonçalves. Feminismos e interseccionalidade: mulheres negras protagonistas de suas histórias. In:Série Estudos Reunidos, vl. 75. Org. Viviane Gonçalves Freitas 1 ed. Jundiaí: Paco Editora, 2019.

GÓIS, João Bosco Hora. Quando raça conta: um estudo das diferenças entre mulheres brancas e negras no acesso e permanência no ensino superior. In: Revista Estudos Feministas (16:3), Florianópolis, Centro de Filosofia e Ciências Humanas e Centro de Comunicação e Expressão/UFSC, 2008.

GOMES, Nilma Lino. O movimento Negro e a intelectualidade negra descolonizando os currículos. In. Decolonialidade e pensamento afrodiasporico. Belo horizonte: Editora Autentica, 2018.

_______. MARTINS. Aracy Alves Afirmando direitos: Acesso e permanência de jovens negros na Universidade. Minas Gerais: Autêntica, 2006.

GONZÁLEZ, Lélia. Racismo e sexismo na Cultura Brasileira. In: Movimentos sociais urbanos, minorias étnicas e outros estudos. Brasília: ANPOCS, 1983.

HOOKS, Bell (2013), Ensinando a transgredir: a Educação como prática de liberdade. Tradução de Marcelo Brandão Cipolla- São Paulo. Editora Martins Fontes,.

JUNIOR, Eueliton Marcelo Coelho. Autoidentificação e heteroidentificação como ferramentas de monitoramento. In: Dossiê Afrodescendentes, Edição 86, UNESPCIÊNCIA. 2017. Disponível em: < http://unespciencia.com.br/2017/06/01/dossie-afro-5-86/> Acesso em: 02.julho.2020

KÜCHEMANN, Berlindes Astrid, BANDEIRA, Lourdes e ALMEIDA, Tânia Mara. A categoria gênero nas ciências sociais e sua interdisciplinaridade. In: Revista do CEAM. Vol 3. N 01, 2015.

LALANDA, Piedade. Sobre a metodologia qualitativa na pesquisa sociológica. Análise Social, vol. XXXIII (148), 1998.

MARQUES, Eugenia Portela. O acesso à educação superior e o fortalecimento da identidade negra. In: Revista Brasileira de Educação, v. 23, p1-23, 2018.

MAYORGA, Claudia e SOUZA, Luciana Maria de. Ação afirmativa na universidade: a permanência em foco. In: Revista Psicologia em Foco, 2012.

ORTEGA, E. M. V. O ensino médio público e o acesso ao ensino superior. Estudos em Avaliação Educacional. São Paulo, Fundação Carlos Chagas, n. 23, p. 153-176, 2011.

REIS, Dyane Brito; TENORIO, Robinson Moreira. Políticas Públicas de Acesso e Permanência da População Negra no Ensino Superior: Um debate em curso. Cadernos ANPAE, 2009.

ROSA, Waldemir. Significados da Permanência da População Negra no Ensino Superior: o caso da Universidade Estadual de Goiás. In: Maria Auxiliadora Lopes; Maria Lúcia de Santana Braga. (Org.). Acesso e Permanência da População Negra no Ensino Superior. 1ed.Brasília: SECAD / MEC - UNESCO, 2007.

SEGATO, Rita Laura. ‘Frente al espejo de la reina mala’. Docencia, amistad y autorización como brechas decoloniales en la universidad”, Versión. Estudios de Comunicación y Política, núm. 37, octubre-abril, pp. 201-216, 2016. Disponível em: http://version.xoc.uam.mx/. Acesso em: 02.julho.2020

Publicado

2020-02-24