A trama das emoções: cristianismo e materialismo em “Vidas Secas”

Autores

  • FRANCISCO JOSÉ RAMIRES unip/ professor titular

DOI:

https://doi.org/10.46269/9120.390

Palavras-chave:

Vidas Secas, emoções, cristianismo, materialismo, literatura.

Resumo

O objetivo do artigo é discutir o papel das emoções na composição de “Vidas Secas”, de Graciliano Ramos, pensando o corpo como ponto de intersecção entre biografia, histórica e sociedade. Ao mesmo tempo, fazer a defesa da ideia de que o romance foi composto a partir de elementos típicos de uma ontologia cristã, subjacente à formação do autor, e do materialismo histórico.

Biografia do Autor

FRANCISCO JOSÉ RAMIRES, unip/ professor titular

Doutorado em sociologia, com ênfase no campo literário brasileiro.

Referências

BERGER, Peter. Perspectivas sociológicas: uma visão humanística. Petrópolis: Editora Vozes, 1978.

CANDIDO, Antonio. Tese e antítese: ensaios. São Paulo: T. A. Queiroz, 2002.

CARPEAUX, Otto Maria. “Graciliano Ramos (no sétimo dia de sua morte)”. In: LEBENSZTAYN, Ieda. Graciliano Ramos, por Otto Maria Carpeaux: 120 anos, homenagem em dobro. Estudos Avançados. São Paulo , v. 26, n. 76, p. 237-242, Dez. 2012. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-40142012000300023&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 31 Dez. 2019.

CASCUDO, Luís da Câmara. Dicionário do Folclore Brasileiro. São Paulo: Global, 2002.

ECO, Umberto. O nome da rosa. Rio de Janeiro:São Paulo, Record, 1995.

FARIA, Octavio de. “Graciliano Ramos e o sentido do humano”. In: RAMOS, Graciliano. Infância. Rio de Janeiro:São Paulo: Record, 1995.

JOYCE, James. Ulisses. Rio de Janeiro, Objetiva, 2005.

______ Retrato do artista quando jovem. Abril Cultural, São Paulo, 1971.

LAFETÁ, João Luiz. A dimensão da noite e outros ensaios. São Paulo: Duas Cidades; Editora 34, 2004.

LE GOFF, Jacques. O Deus da Idade Média: conversas com Jean-Luc Pouthier. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2017.

LINS, Álvaro. “Valores e Misérias das Vidas Secas”. In: RAMOS, Graciliano. Vidas Secas. Rio de Janeiro; São Paulo: Record, 2000.

MARX, Karl. Trabalho alienado e superação positiva da auto-alienação humana. In: FERNANDES, Florestan (org.). Marx Engels: História. v. 36. São Paulo, Ática, 1989.

MERQUIOR, José Guilherme. A astúcia da mimese: ensaios sobre a lírica. Rio de Janeiro: Topbooks, 1997.

MICELI, Sergio. Intelectuais à brasileira. São Paulo: Companhia das Letras, 2001.

MILES, Jack. Deus: uma biografia. São Paulo: Companhia das Letras, 1997.

MONTEIRO, Duglas Teixeira. Os errantes do novo século. Um estudo sobre o surto Milenarista do Contestado. São Paulo: Duas Cidades, 1974.

MOTT, Luiz. “Cotidiano e vivência religiosa: entre a capela e o calundu”. In: SOUZA, Laura de Mello e (org.) História da vida privada no Brasil: cotidiano e vida privada na América portuguesa. São Paulo: Companhia das Letras, 1997.

NEJAR, Carlos. Os Viventes. São Paulo: Leya, 2011.

RAMOS, Graciliano. Vidas Secas. Rio de Janeiro; São Paulo: Record, 2000.

______ Infância. Rio de Janeiro; São Paulo: Record, 1995.

RIBEIRO, Sidarta. O oráculo da noite: a história e a ciência do sono. São Paulo: Companhia das Letras, 2019.

SANTO AGOSTINHO. Confissões. São Paulo: Nova Cultural, 1999.

SÓFOCLES. Antígona. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1999.

Publicado

2020-02-24