Polimento literário do marxismo, aferição marxista da arte: a casa de farinha, de João Cabral de Melo Neto

Autores

  • Francisco José Ramires Doutor em Sociologia pela Universidade de São Paulo. Professor titular da Universidade Paulista.

DOI:

https://doi.org/10.46269/3214.149

Palavras-chave:

João Cabral de Melo Neto, Literatura, Marxismo, Tempo Poético, Tempo Social.

Resumo

A intenção deste artigo é analisar o projeto inacabado de um poema possivelmente intitulado A casa de farinha, de João Cabral de Melo Neto. Dos dados coligidos pelo autor, é possível depreender pistas acerca de seu método de trabalho, particularmente da forma como ele se valeu do marxismo como ferramenta usada na elaboração de alguns de seus textos. Tal uso permite defender a hipótese da interconexão entre os campos da arte e da ciência, um influenciando o outro.

 

Referências

BANDEIRA, Manuel. Estrela da vida inteira. Rio de Janeiro, Nova Fronteira, 1993.

BOURDIEU, Pierre. O camponês e seu corpo. Revista de Sociologia e Política. Curitiba, n. 26, p. 83-92, jun., 2006.

CANDIDO, Antonio. “Poesia ao Norte”. Folha da Manhã, 13/06, p.5, São Paulo, 1943. CASCUDO, Luís da Câmara. Dicionário do folclore brasileiro. São Paulo, Global, 2002.

CASTELLO, José. João Cabral de Melo Neto: o homem sem alma & Diário de Tudo. Rio de Janeiro, Bertrand Brasil, 2006.

CASTRO, Josué de. [Carta] 07 jan. 1964 [para] MELO NETO, João Cabral de, Sevilha, 1f. Convite para realização de trabalho conjunto sobre o Nordeste.

______ Geografia da fome. Rio de Janeiro, Livraria-Editora da Casa do Estudante, 1953.

EAGLETON, Terry. Marx estava certo. Rio de Janeiro, Nova Fronteira, 2012.

ELIAS, Norbert. A Sociedade de Corte: Investigação sobre a sociologia da realeza e da aristocracia de corte. Rio de Janeiro, Jorge Zahar Editor, 2001.

IANNI, Octavio. A sociologia e o mundo moderno. São Paulo, Ed. Civilização Brasileira, 2011.

LEWIN, Helena. A temática do “mundo rural” nos planos brasileiros de desenvolvimento econômico. Debate & Crítica. n. 4, p. 83-105, nov., 1974.

LUKÁCS, Georg. “Reflexões sobre a sociologia da literatura”. In: PAULO NETTO, José (org.).Lukács: sociologia. São Paulo, Ática, 1992.

MARTINS, José de Souza. A sociabilidade do homem simples. São Paulo, Contexto, 2012.

MARX, Karl. Grundrisse: Manuscritos econômicos de 1857-1858; Esboços da crítica da economia política. São Paulo : Boitempo; Rio de Janeiro : Ed. UFRJ, 2011.

______ O capital: crítica da economia política. Vol. I. São Paulo, Abril Cultural, 1983.

MARX, Karl; ENGELS, Friedrich. A ideologia alemã. São Paulo, Martins Fontes, 2007.

MELO NETO, João Cabral. Notas sobre uma possível A casa de farinha. Rio de Janeiro, Alfaguara, 2013.

OLIVA-AUGUSTO, Maria Helena. Temporalidade, Individualidade e Ordem Social. São Paulo, mimeo, 19pp, 2004.

RAMIRES, Francisco José. João Cabral de Melo Neto: engenharia literária. São Paulo, Ed. Biblioteca 24 horas, 2011.

SEVCENKO, Nicolau. Literatura como missão: Tensões sociais e criação cultural na Primeira República. São Paulo, Brasiliense, 1999.

THOMPSON, E. P. Costumes em comum: estudos sobre a cultura popular tradicional. São Paulo, Cia. das Letras, 2005.

TURNER, Victor. Dramas, fields, and metaphors: symbolic action in human society. New York, Cornell University Press, 1975.

WILLIMANS, Raymond. The country and the city. New York, Oxford University Press, 1975.

ZOLA, Émile. Germinal. São Paulo, Ed. Abril Cultural, 1972.

Publicado

2014-05-18