Uma análise de enunciados sobre o trabalho informal em uma revista feminina

Autores

  • Maria Vanesse Andrade Universidade Federal do Ceará
  • Aluísio Ferreira Lima Universidade Federal do Ceará

DOI:

https://doi.org/10.46269/5116.95

Palavras-chave:

Revista Feminina, Trabalho, Informalidade, Análise do Discurso Crítica, Sou mais Eu.

Resumo

O setor informal ocupado por mulheres das classes C e D tem crescido consideravelmente nos últimos anos. Nesse sentido, o objetivo deste artigo foi analisar a produção da oferta de trabalho informal na revista feminina Sou mais Eu. A referida publicação, segmentada para a classe C, produz uma série de matérias em que mulheres explicam como ganhar dinheiro na informalidade. Como amostra, foram analisadas matérias de exemplares da revista publicadas no Brasil entre 2013 e 2014. O material foi analisado na perspectiva da Análise do Discurso Crítica. Os dados encontrados apontam que o trabalho informal é sempre associado ao ganho rápido e fácil de dinheiro. Acredita-se que adesão e consumo deste tipo de discurso têm relação direta com a escassez de postos formais de trabalho.

Biografia do Autor

Maria Vanesse Andrade, Universidade Federal do Ceará

Mestrado em Psicologia pela Universidade Federal do Ceará. Graduada em Psicologia pela Universidade Federal do Ceará (UFC) e em Letras pela Universidade Estadual Vale do Acaraú (UVA).  Ao longo de ambas as graduações participou de atividades de monitoria, pesquisa e extensão. Participou dos seguintes grupos de pesquisa/projetos: "Outros Mundos" (UVA), Laboratório de Análise do Comportamento - LANAC (UFC), Ledus (UFC) e Paralaxe (UFC). Foi bolsista de Iniciação Científica UFC/FUNCAP. Desempenhou atividade de Estágio em Clínica, no Serviço de Psicologia Aplicada da UFC. Interessa-se pelas seguintes temas de pesquisa: Comportamento do Consumidor, Comportamento Verbal, Identidade, Educação, Literatura e Didática. Tem afinidade epistemológica e prática com os pressupostos da Análise do Comportamento, abordagem psicológica baseada nos princípios do Behaviorismo Radical.

Aluísio Ferreira Lima, Universidade Federal do Ceará

Psicólogo com Pós-Doutorado (2010), Doutorado (2009) e Mestrado (2005) em Psicologia (Psicologia Social) pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUCSP) e Especialista em Saúde Mental (2007) pela Universidade de São Paulo (EEUSP). É Professor Adjunto IV do Departamento de Psicologia da Universidade Federal do Ceará/UFC, credenciado como Professor Permanente (M/D) do Programa de Pós-Graduação em Psicologia e do Mestrado Profissional em Saúde da Família UFC/FIOCRUZ/RENASF). Bolsista de Produtividade do CNPq (PQ 2).

Referências

ANTUNES, R. Os modos de ser da informalidade: rumo a uma nova era da precarização estrutural do trabalho? Serviço Social e Sociedade, São Paulo, n. 107, p. 405-419, 2011. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/sssoc/n107/02.pdf. Acesso em: 17 dezembro 2013.

BOMFIM, A. S. V. B. A mulher no mercado informal: o caso das ambulantes localizadas nas ruas centrais de salvador. (Graduação em Serviço Social) – Curso de Serviço Social, Universidade Católica do Salvador, Salvador. 2005. 56f.

COSTA, J. D. S. Revista Sou Mais Eu da Editora Abril da revista impressa para a on-line: um estudo de caso. (Mestrado em Comunicação ) – Curso de Pós-Graduação em Comunicação, Universidade de Brasília, Brasília, Distrito Federal. 2011. 219f.

CRUZ, P. M. Representações do eu: a imagem como elemento discursivo na construção de identidades femininas. Revista eletrônica temática, João Pessoa, ano V, n. 12, p.1-9, 2009. Disponível em: http://www.insite.pro.br/2009/Dezembro/patricia_identidade_feminina.pdf. Acesso em: 19 maio 2013.

EUFRÁSIO, M. As transformações no mundo do trabalho frente a globalização. Revista Labor, Fortaleza, v. 5, p. 121-140, 2011.

FAIRCLOUGH, N. Analyzing discourse. Textual analysis for social research, 2003.

FILGUEIRAS, L. DRUCK, G. AMARAL, M. F. O conceito de informalidade: um exercício de aplicação empírica. Caderno CRH, Salvador, v. 17, n. 41, 2004.

GORZ, André. O imaterial: conhecimento valor e capital. São Paulo: AnnaBlume, 2005.

HARVEY, D. Fordismo à Acumulação Flexível. In: Condição Pós-Moderna. São Paulo, Edições Loyola, 1992.

IBGE – Instituto Nacional de Geografia e Estatística. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios, 2012.

KON, A. As trabalhadoras por conta-própria no Brasil: diferenças entre gêneros. Mulher e Trabalho, Porto Alegre, v. 03, p. 49-66, 2003.

KON, A. Segmentação e informalidade do trabalho nas empresas, em uma perspectiva de gênero. Mulher e Trabalho, Porto Alegre, v. 6, p. 01-20, 2006.

MIRA, M. C. O leitor e a banca de revistas: a segmentação da cultura no século XX. São Paulo: Olho D’água, 2001.

NAVARRO, V. L.; PADILHA, V. Dilemas do trabalho no capitalismo contemporâneo. Psicologia e Sociedade, v. 9, p. 14-20, 2007.

NEVES, M. A. Cadeia automotiva: flexibilidade, precarização e relações de gênero. Trabalho e Educação, Revista do NETE/UFMG, Belo Horizonte, n. 8, p. 90-110, 2001.

NEVES, M. A. PEDROSA, C. M. Gênero, flexibilidade e precarização: o trabalho a domicílio na indústria de confecções. Sociedade e Estado, Brasília, v. 22, n. 1, p. 11-34, 2007. Disponível em: http://www.brasil.gov.br/secoes/mulher/atuacao-feminina/mercado-de-trabalho. Acesso em: 22 de junho de 2013.

PRADO, J. L. A. Regimes de visibilidade em revistas – análise multifocal dos contratos de comunicação. São Paulo, José Luiz Aidar Prado. 2011. (DVD).

POCHAMANN, M. Nova classe média?: o trabalho na base de pirâmide social brasileira. São Paulo: Boitempo, 2012. 127 p.

______. O mito da grande classe média: capitalismo e estrutura social. São Paulo: Boitempo, 2014. 152p.

RESENDE, V. M.; RAMALHO, V. Análise de Discurso Crítica. São Paulo: Contexto, 2006.

Publicado

2016-05-11