Distopia Virtual

Reflexões sobre a emergência de novos atores no campo da comunicação digital

Autores

  • Rebecca Portela Melo PPGS/UFPE

DOI:

https://doi.org/10.46269/9220.634

Palavras-chave:

Autocomunicação de massa; Extrema-imprensa; Utopia Digital; novas mídias; sociologia da comunicação

Resumo

Neste artigo são abordadas diferentes perspectivas teóricas relacionadas às expectativas de democratização da comunicação a partir do amplo acesso à internet 2.0, tendo como objeto refletir sobre o impacto social das novas configurações de mídia. As mudanças constantes nas formas de produção e consumo de informações reinauguram questões sociológicas centrais, como o novo espaço de agência ocupado pela antiga “massa receptora” de informações: os indivíduos que antes eram tidos como parte de um todo indiferenciado, receptores indistintos de notícias, passam a ocupar o epicentro deste rearranjo no âmbito da comunicação e, consequentemente, um novo espaço corpo social. A partir da noção de "utopia digital", discutiremos o conceito de autocomunicação de massa e suas atuais consequências para o processo democrático. Para isso, será feita uma análise da emergência de novos atores no campo da comunicação independente, buscando apreender os sentidos mobilizados em seus discursos.

Referências

ADGHIRNI, Zélia Leal. Mudanças Estruturais no Jornalismo: Travessia de uma Zona de Turbulência. In: PEREIRA, Fábio; ADGHIRNI, Zélia Leal; MOURA, Dione (Orgs). Jornalismo e Sociedade –Teorias e Metodologias. Florianópolis: Insular, 2012.

CASTELLS, Manuel. A era da informação: economia, sociedade e cultura, Vol. 1, A sociedade em rede. São Paulo: Paz e Terra, 1999.

______. A era da informação: economia, sociedade e cultura, Vol. 2, O poder da identidade. São Paulo: Paz e Terra, 2008.

______. A galáxia da internet: reflexões sobre a Internet, os negócios e a sociedade. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed, 2003.

______. Redes de indignação e esperança: movimentos sociais na era da internet. Rio de Janeiro: Zahar, 2013.

______. O poder da comunicação. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2015.

HAN, Byung-chul. No Enxame: perspectivas do digital. Trad. Lucas Machado. Petrópolis:Vozes, 2018.

FLUSSER, Vilém. Medienkultur (ed. by Stefan Bollmann). Frankfurt/Main: Fischer. 1997.

KAKUTANI, Michiko. A Morte da Verdade: notas sobre a mentira na era Trump. 1 Ed – Rio de Janeiro: Intrínseca. 2018.

MANSELL, Robin. From Digital Divides to Digital Entitlements in Knowledge Societies. 2002. Disponível em: https://journals.sagepub.com/doi/10.1177/0011392102050003007

McChesney, R. W. Communication Revolution: Critical Junctures and the Future of Media. New Press. 2007.

O’REILLY, Tim. What is Web 2.0?: design patterns and business models for the next generation of software. 2009. Disponível em: http://www.oreillynet.com/pub/a/oreilly/tim/news/2005/09/30/what-is-web-20.html

PALMER, Shelley. Obama vs McCain: the first networked campaign. Huffington Post, media News. 2008. Disponível em: https://www.shellypalmer.com/2008/06/obama-vs-mccain-the-first-networked-campaign/ Acesso em 12/11/2020.

RENDUELES, César. Sociofobia: mudança política na era da utopia digital. Editora SESC. 2016.

SUSTEIN, Cass.Going to Extremes: How Like Minds Unite and Devide. Nova York: Oxford University Press, 2009.

URUPÁ, Marcos. Redes Sociais e internet: como as pessoas se tornaram usuárias, produtoras e consumidoras em um piscar de olhos. Anais do VI Encontro Nacional da União Latina da Economia Política da Informação, da Comunicação e da Cultura (ULEPICC), 2016. Disponível em: https://ulepiccbrasiliadotcom.files.wordpress.com/2017/04/ulepicc2016_anaisgt3.pdf Acesso em: 13/11/2020.

Publicado

2021-09-09