"Oi beninas"

Analisando as vlogueiras mais conhecidas do Brasil a partir de uma abordagem feminista e interseccional

Autores

  • Júlia Vargas UFMG
  • Flora Villas Carvalho

DOI:

https://doi.org/10.46269/9220.612

Palavras-chave:

Gênero, Interseccionalidade, Youtube, Vlogueiras, Antropologia

Resumo

A partir de uma abordagem feminista e interseccional, buscamos analisar o conteúdo produzido por vlogueiras brasileiras que despontam como as youtubers com maior número de inscrições no Youtube. Realizamos o levantamento dos canais em julho de 2019 e os vídeos foram analisados pensando os temas abordados, o perfil racial e estético das vlogueiras, além de outras questões. Apesar de muito dinâmico, esse ranking tem muito a nos dizer sobre as representações, discursos, práticas e padrões reproduzidos e acessados no país. Estes mesmos padrões parecem ser também estimulados pelos próprios algoritmos da plataforma, que auxiliam na preservação de desigualdades estruturais a partir de seu funcionamento absolutamente intrincado com os sistemas que embasam a sociedade moderna ocidental.

Referências

AZEVEDO, Lídia Damaceno. A reorganização política e econômica do trabalho em torno de influenciadoras digitais negras. In: Simpósio Internacional LAVITS: “Assimetrias e (In)Visibilidades: Vigilância, Gênero e Raça”, VI., 2019, Salvador. Anais…. Salvador: v.1, 2019. p.1 a 15.

BENTO, Maria Aparecida Silva. Branqueamento e branquitude no Brasil. In: CARONE, Iracy; BENTO, Maria Aparecida Silva (org.). Psicologia social do racismo: estudos sobre branquitude e branqueamento no Brasil. Petrópolis: Vozes, 2014. p. 25-60.

BERTOLOTTI, Elisângela; MEDEIROS, Rosângela Fachel. Passa demaquilante no teu preconceito: Tutoriais de maquiagem como performance queer no Youtube. In: Revista Docência e Cibercultura. Rio de Janeiro: v. 3, n. 1, p. 151-176, 2019.

BLADE, Social. 2019. Top 250 youtubers in brazil sorted by subscribers . Disponível em: https://socialblade.com/youtube/top/country/br/mostsubscribed. Acesso em: 12 mai. 2019.

BRUNO, Fernanda. Máquinas de ver, modos de ser: vigilância, tecnologia e subjetividade. Porto Alegre: Sulina, 2013.

BUTLER, Judith. Corpos que pesam: sobre os limites discursivos do “sexo”. In: LOURO, Guacira Lopes. O corpo educado: pedagogias da sexualidade. Belo Horizonte: Autêntica, 2000.

BUTLER, Judith. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. Rio de Janeiro: Editora Civilização Brasileira, 2003.

CORRÊA, Júlia de Camargo. Da diversão à profissão: decisão de carreira entre YouTubers. 2018. 86f. Trabalho de Conclusão na Graduação de Administração - Departamento de Ciências Administrativas, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2018.

CRENSHAW, Kimberlé. A intersecionalidade na discriminação de raça e gênero. In: Cruzamento: raça e gênero. Brasília: Unifem, p. 7-16, 2004.

CRIADORES ID. Ranking dos maiores canais femininos do Brasil. 2018. Disponível em: criadoresid.com/ranking-maiores-canais-femininos-mulheres-brasil/. Acesso em: 12 mai. 2019.

FIGUEIRA, Janaína Moreira. A mulher caiu na rede: Representações de mulher nos vídeos do Youtube. 2009. 106f. Dissertação de Mestrado em Sociologia Política - Programa de Pós Graduação em Sociologia Política, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2009.

FORBES BRASIL. Os 10 sites mais populares do mundo. 2019. Disponível em: https://forbes.uol.com.br/listas/2019/04/10-sites-mais-populares-do-mundo/#foto2. Acesso em 02 jul. 2019.

FURTADO, Isabela. “Encontrando a trilha”. In: Nossos rastros não serão apagados: uma trilha das relações entre mulheres no filme Born In Flames. 10 de dezembro de 2018. 64f. Monografia de Graduação em Antropologia - Departamento de Antropologia e Arqueologia, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2018.

HARAWAY, Donna. Saberes localizados: a questão da ciência para o feminismo e o privilégio da perspectiva parcial. Cadernos Pagu, n. 5, p. 7-41, 1995.

HARAWAY, Donna. O Manifesto ciborgue: ciência, tecnologia e feminismo socialista no final do século XX. [1985]. In: TADEU, Tomaz (org.). Antropologia do Ciborgue: as vertigens do pós-humano. Belo Horizonte: Autêntica, 2000.

LATOUR, Bruno. Jamais fomos modernos. São Paulo: Editora 34, 1994.

LUGONES, María. Rumo a um feminismo descolonial. In: Revista Estudos Feministas, v. 22, n. 3, p. 935-952, 2014.

PRECIADO, Paul Beatriz. Manifesto Contrassexual: práticas subversivas de identidade sexual. São Paulo: N-1 Edições. pp. 17-44, 2014.

RAMOS, Jair de Souza. Subjetivação e poder no ciberespaço: Da experimentação à convergência identitária na era das redes sociais. In: Vivência: Revista de Antropologia, v. 1, n. 45, p. 57-75, 2015.

RICH, Adrienne. Heterossexualidade compulsória e existência lésbica. [1993]. In: Bagoas - Estudos gays: gêneros e sexualidades, v. 4, n. 05, p.17-44, 2010.

SILVA, Cidinha; RIBEIRO, Stephanie. Feminismo Negro. In: HOLLANDA, H. B. (org.). Explosão Feminista: Arte, Cultura, Política e Universidade. São Paulo: Cia das Letras, 2018. p. 252-287.

SILVA, Priscila Elisabete da. O conceito de branquitude: reflexões para o campo de estudo. In: Muller, Tânia M. P.; CARDOSO, Lourenço (org.). Branquitude: estudos sobre identidade branca no Brasil. Curitiba: Appris, 2017, p. 22-33.

SILVEIRA, Sérgio Amadeu da. Redes cibernéticas e tecnologias do anonimato. In: Comunicação & Sociedade, v. 30, n. 51, p. 113-134, 2009.

STABILE, Amanda. Canais negros lutam por visibilidade no Youtube. 2017. Disponível em: www.sjsp.org.br/noticias/canais-negros-lutam-por-visibilidade-no-youtub-7e80. Acesso em: 12 mai. 2019.

UGARTE, David de. O poder das redes. Porto Alegre: EdiPUCRS, 2008.

WEEKS, Jeffrey. La invención de la sexualidad. Sexualidad. [1986]. Barcelona: Paidós Ibérica, 1998.

YOUTUBE. Press - About . 2019. Disponível em: https://www.youtube.com/intl/en-GB/yt/about/press. Acesso em 02 jul. 2019.

Publicado

2021-09-09