“Vida preta importa quando a gente tá morta, não quando a gente tá viva”

estética, desejo e constituição de si na cena preta LGBT de São Paulo

Autores

  • Bruno Nzinga Ribeiro Universidade Estadual de Campinas

DOI:

https://doi.org/10.46269/9120.568

Palavras-chave:

Raça, Gênero, Sexualidades, Produção Cultural, Sociabilidade LGBTQI, Periferia

Resumo

O propósito deste artigo é discutir o universo político e criativo das relações em lugares organizados por e para pessoas LGBT negras e ou periféricas na cidade de São Paulo. Para isso, em um primeiro momento,  discuto a  emergência da cena preta LGBT de São Paulo a partir dos discursos em torno da relação entre arte e política sobre um conjunto de estéticas, lugares e sujeitos identificados como “geração tombamento”, e o enquadramento de uma cena de festas engajadas com redes, estética e códigos próprios. Num segundo momento trago algumas notas etnográficas do trabalho de campo realizado em um baile funk LGBT e periférico onde se produzem ambientes em que sujeitos negros LGBT podem se afirmar, desajar e se sentir desejados.

Referências

BRAH, Avtar. Diferença, diversidade, diferenciação. cadernos pagu, n. 26, p. 329-376, 2006.

IRWIN, j. Notes on the status of the concept subculture. In: GELDER, K. (ed) The subcultures reader. 2nd ed. New York: Routledge, 2005 (1970).

FACCHINI, Regina. Múltiplas identidades, diferentes enquadramentos e visibilidades: um olhar para os 40 anos do movimento LGBTI. História do Movimento LGBT no Brasil. São Paulo: Alameda, p. 311-330, 2018.

FANON, Frantz. Black skin, white masks. Grove Press, 2008.

FRANÇA, Isadora Lins. Consumindo lugares, consumindo nos lugares: homossexualidade, consumo e subjetividades na cidade de São Paulo. EdUERJ, 2012.

HEBDIGE, Dick. Subculture: The Meaning of Style. Londres: Methuen, 1979.

MBEMBE, Achille. Necropolítica: Biopoder, soberania, estado de exceção, política da morte. Tradução de Renata Santini. São Paulo, n. 1, 2019.

PINHEIRO-MACHADO, Rosana; SCALCO, Lucia Mury. "Rolezinhos: marcas, consumo e segregação no Brasil." Revista Estudos Culturais, 2014.

SCOTT, Joan W. et al. A invisibilidade da experiência. Projeto História: Revista do Programa de Estudos Pós-Graduados de História, v. 16, 1998.

SILVA, Mário Augusto Medeiros da. A descoberta do insólito. Literatura negra e literatura periférica no Brasil (1960-2000). Rio de Janeiro: Aeroplano, 2013.

SIMÕES, Júlio Assis; FRANÇA, Isadora Lins; MACEDO, Marcio. Jeitos de corpo: cor/raça, gênero, sexualidade e sociabilidade juvenil no centro de São Paulo. cadernos pagu, n. 35, p. 37-78, 2010.

STRAW, Will. Systems of articulation, logics of change: communities and scenes in popular music. Cultural studies, v. 5, n. 3, p. 368-388, 1991.

BRAGA, Gibran Teixeira. 'O fervo e a luta': políticas do corpo e do prazer em festas de São Paulo e Berlim. 2018. Tese de Doutorado. Universidade de São Paulo.

Publicado

2021-02-24