Algumas expressões da guerra entre facções nas unidades de internação alagoanas

Autores

  • Ada Rízia Barbosa da Silva Universidade Federal de Alagoas
  • Alana Barros Santos Universidade Federal de Alagoas

DOI:

https://doi.org/10.46269/9120.561

Palavras-chave:

sistema socioeducativo, facções, guerra, periferias

Resumo

Neste ensaio apresentamos reflexões sobre algumas expressões de guerra entre facções no contexto de unidades de internação alagoanas. Acompanhamos nos últimos anos que a noção de guerra passou a figurar como um elemento vivenciado por quem está às margens urbanas. Suas trincheiras estão nas quebradas, nas periferias urbanas, e suas vítimas são jovens garotos e garotas que ansiosamente passaram a enunciar vínculos com o Primeiro Comando da Capital (PCC) ou com o Comando Vermelho (CV). Concluímos questionando até que ponto a gestão institucional das vidas de adolescentes encarcerados acaba por potencializar seus conflitos ao não fornecer e propiciar meios de superá-los por uma via que não seja a da violência, do silenciamento, da desconfiança letal em suas relações.

Referências

Atlas de violência 2019. Brasília: Rio de Janeiro: São Paulo: Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada; Fórum Brasileiro de Segurança Pública. 2019. Disponível em: https://www.ipea.gov.br/portal/index.php?option=com_content&view=article&id=34784

BARBOSA, Antonio Rafael. Política e moral nas prisões brasileiras. Tempo Social, v. 31, n. 3, p. 121–140, 2019. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/ts/article/view/162523

BARROS, João Paulo Pereira et al. “Pacificação” nas periferias: Discursos sobre as violências e o cotidiano de juventudes em Fortaleza. Revista de Psicologia, v. 9, n. 1, p. 117–128, 2018. Disponível em: http://www.periodicos.ufc.br/psicologiaufc/article/view/30781

BIONDI, Karina. Etnografia no movimento: Território, hierarquia e lei no PCC. 2014. 336 f. Tese (Doutorado em Antropologia Social) - Programa de Pós-graduação em Antropologia Social, Universidade Federal de São Carlos, São Carlos 2014.

DRYBREAD, Kristen. Documents of indiscipline and indifference: The violence of bureaucracy in a Brazilian juvenile prison. American Ethnologist, v. 43, n. 3, p. 411–423, 2016. Disponível em: https://anthrosource.onlinelibrary.wiley.com/doi/abs/10.1111/amet.12335

ELIAS, N. Introdução à sociologia. Lisboa: Edições 70, 1980.

HIRATA, Daniel. Veloso.; GRILLO, Carolina. Cristoph. Sintonia e amizade entre patrões e donos de morro: Perspectivas comparativas entre o comércio varejista de drogas em São Paulo e no Rio de Janeiro. Tempo Social, v. 29, n. 2, p. 75–98, 2017. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_abstract&pid=S0103-20702017000200075&lng=en&nrm=iso&tlng=pt

MALLART, Fábio. Cadeias dominadas: Dinâmicas de uma instituição em trajetórias de jovens internos. 2011. 187 f. Dissertação (Mestrado em Antropologia Social) Programa de Pós-graduação em Antropologia Social, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2011.

MANSO, Bruno Paes; NUNES DIAS, Camila Caldeira. PCC, sistema prisional e gestão do novo mundo do crime no Brasil. Revista Brasileira de Segurança Pública, v. 11, n. 2, p. 10–29, 2017.

MARQUES, A. Crime, proceder, convívio-seguro: Um experimento antropológico a partir de relações entre ladrões. 2009. 127 f. Dissertação (Mestrado em Antropologia Social) Programa de Pós-graduação em Antropologia Social, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2009.

RODRIGUES, F. DE J. “Necessidade” de “polícia” e “paz” das “facções”: desejos de “ordem” e efeitos de “desordem” nas periferias de Maceió, AL. Caxambu, MG: ANPOCS, 2019

RODRIGUES, Fernando de Jesus. “Corro com o PCC”, “corro com o CV”, “sou do crime”: “Facções”, sistema socioeducativo e os governos do ilícito em Alagoas. Revista Brasileira de Ciências Sociais, v. 35, n. 102, 2020. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0102-69092020000100515&script=sci_arttext

SANTOS, Alana Barros. As experiências de rupturas afetivas na família favorecem a aproximação dos adolescentes com práticas ilícitas e criminais? 2018. 46f. Trabalho de Conclusão de Curso (Bcharelado em Ciências Sociais) Instituto de Ciências Sociais, Universidade Federal de Alagoas, Maceió, 2018.

SANTOS, A. B. Afetos marginais e tramas no crime: Cursos sentimentais , de sobrevivência e de aventura entre socioeducandas alagoanas . Afetos marginais e tramas no crime: cursos sentimentais, de sobrevivência e de aventura entre socioeducandas alagoanas. 2020. Texto de qualificação de mestrado. Programa de Pós-graduação em Sociologia, Universidade Federal de Alagoas, Maceió, 2020.

SILVA, Ada Rízia Barbosa da. A “máquina opressora”: A gestão da vida de adolescentes sentenciados a cumprir medida socioeducativa em unidades de internação de Alagoas. 2018. 88 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Bcharelado em Ciências Sociais) Instituto de Ciências Sociais, Universidade Federal de Alagoas, Maceió, 2018.

SILVA, Ada Rízia Barbosa da. Cadeias de tensão: Repertórios disciplinares de facções e do sistema em unidades de internação alagoanas. 2020. Texto de qualificação de mestrado. Programa de Pós-graduação em Sociologia, Universidade Federal de Alagoas, Maceió, 2020.

Publicado

2020-02-24