FEST 8: a ocupação cultural de juventudes negra e periférica em espaço público

Autores

  • Leticia Ambrosio UFSCar - Programa de Pós Graduação em Terapia Ocupacional - PPGTO
  • Alice UFSCar
  • Carla UFSCar
  • Karol UFSCar
  • Carla UFSCar

DOI:

https://doi.org/10.46269/9120.553

Palavras-chave:

População Negra, Cultura, Terapia Ocupacional, Juventudes, Relações étnico-raciais

Resumo

A juventude brasileira pobre e periférica, majoritariamente constituída por jovens negros, carrega no corpo marcas de rejeição, negação e exclusão social. O hip-hop se constitui como uma prática expressiva, cultural, política e representativa da população negra e periférica. Esse trabalho tem como objetivo apresentar os projetos de extensão universitária: “Expressões potentes da juventude: Corpo e arte” e “Hip-hop em cena: redes conectivas entre arte periferia e universidade”, realizados respectivamente nos anos de 2018 e 2019, numa periferia no município de São Carlos. Os projetos visaram promover espaços para a expressão de culturas juvenis periféricas, possibilitar a ocupação de espaços públicos de cultura e lazer pelos jovens, assim como, ampliar as potências e possibilidades d e valorização de jovens periféricos, em sua maioria, negros e negras.

Referências

ABAD, Miguel. Las politicas de juventud desde la perspectiva de la relacion entre convivencia, ciudadania y nueva condicion juvenil. Última Década, Viña del Mar, CIDPA, v. 16, mar. 2002, p. 119-155. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/28212652_Las_politicas_de_juventud_desde_la_perspectiva_de_la_relacion_entre_convivencia_ciudadania_y_nueva_condicion_juvenil. Acesso em agosto de 2020.

ALMEIDA, Ronaldo; D' ANDREA, Tiarajú.; DE LUCCA, Daniel. Situações periféricas: etnografia comparada de pobrezas urbanas. Novos estud. - CEBRAP, São Paulo, n. 82, p. 109-130, nov. 2008. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-33002008000300006&lng=en&nrm=iso. Acesso em agosto 2020.

AMBROSIO, Leticia. (2020). Raça, gênero e sexualidade: uma perspectiva da Terapia Ocupacional para as corporeidades dos jovens periféricos. (Dissertação de Mestrado). Programa de Pós-Graduação em Terapia Ocupacional, Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, 2020 Disponível em: https://repositorio.ufscar.br/handle/ufscar/12374. Acesso em agosto 2020.

BEAGAN, Brenda L. Approaches to culture and diversity: A critical synthesis of occupational therapy literature. Canadian Journal of Occupational Therapy, [s. l.], v. 82, ed. 5, p. 272-282, 2015. DOI: 10.1177/0008417414567530. Acesso em agosto 2020.

BRASIL. Centros de Artes e Esportes Unificados Conheça os Ceus: O programa. Brasília, 2014. Disponível em: http://ceus.cultura.gov.br/index.php/conheca-os-ceus/o-programa. Acesso em agosto 2020.

BOLAY, F.W. Guia para aplicação: planejamento de projeto orientado por objetivos: método ZOPP. Recife: GTZ; 1993.

DAYRELL, Juarez. Juventude, grupos culturais e sociabilidade JOVENes. Revista de Estudios sobre Juventud, v. 9, n. 22, 2005, pp. 296-313.

FARIAS, Magno N.; LEITE JUNIOR, Jaime D.; COSTA, Isabelly R. B. B. Terapia Ocupacional e população negra: possibilidades para o enfrentamento do racismo e desigualdade racial. Revista Interinstitucional Brasileira de Terapia Ocupacional. Rio de Janeiro. 2018, v.2(1): 228-243. Disponível em: https://revistas.ufrj.br/index.php/ribto/article/view/12712/. Acesso em agosto 2020.

FERNANDES, Florestan. A integração do negro na sociedade de classes: o legado da “raça branca”. São Paulo: Ed. Globo, 5ª ed., v. 1, 2008.

FERNANDES, Florestan. O negro no mundo dos brancos. São Paulo: Difel, 1972.

GOMES, Nilma L. Cultura negra e educação. Revista Brasileira de Educação, n. 23, mai./jun./ago., 2003. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbedu/n23/n23a05.pdf. Acesso em agosto 2020.

GOMES, Nilma L.; LABORNE, Ana Amélia P. Pedagogia da crueldade: racismo e extermínio da juventude negra. Educação em Revista, Belo Horizonte, v.34, 2018. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/0102-4698197406. Acesso em agosto de 2020.

KRONENBERG, Frank; POLLARD, Nick. Superar el apartheid ocupacional: exploración preliminar de la naturaliza política de la terapia ocupacional. In: KRONENBERG, Frank; ALGADO, Salvador S.; POLLARD, Nick. Terapia ocupacional sín fronteras: aprendiendo el espíritu de supervivientes. Buenos Aires – Madrid: Médica Panamericana, 2006.

MARTINS, Sofia; FARIAS, Magno N. Práticas de terapia ocupacional e contexto sociocultural: caso de uma menina negra. In: GRADIM, Luma C. C.; FINARDE, Tamara N.; CARRIJO, Debora C. M. Práticas em terapia ocupacional. Barueri: Manole, 2020.p. 32-37. 4

NASCIMENTO, Abdias. O genocídio do negro brasileiro: processo de uma racismo mascarado. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1978.

ONOCKO, Rosana. O Planejamento no Divã ou Análise Crítica de uma Ferramenta na Gênese de uma Mudança Institucional 1998.129f. (Dissertação de Mestrado), Departamento de Medicina Preventiva e Social, Faculdade de Ciências Médicas, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 1998. Disponível em: http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/310546. Acesso em agosto de 2020.

PEREIRA, Paulo E.; BARDI, Giovanna; MALFITANO, Ana Paula S. Juventude, drogas e a desconstrução de paradigmas estabelecidos. Cadernos de Terapia Ocupacional da UFSCar, São Carlos, v. 22, n. Suplemento Especial, p. 49-60, 2014. Disponível em: http://dx.doi.org/10.4322/cto.2014.029. Acesso em agosto de 2020.

SANTOS, Jaqueline L. Negro, Jovem e Hip Hopper: História, Narrativa e Identidade em Sorocaba. 2011. 181f. Dissertação de Mestrado. Universidade Estadual Paulista, Faculdade de Filosofia e Ciências de Marília, Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais. Marília, 2011. Disponível em: https://repositorio.unesp.br/bitstream/handle/11449/88796/santos_jl_me_mar.pdf?sequence=1&isAllowed=y. Acesso em agosto de 2020.

SILVA, Carla Regina et al. Proposições da Terapia Ocupacional na Cultura: processos sensíveis e demandas sociais. In: SILVA, Carla Regina (Org.). Atividades Humanas e Terapia Ocupacional: Saber- fazer, cultura, política e resistências. São Paulo: Hucitec, 2019. pp. 235-261

SILVA, Carla Regina et al. Cultura, atividades humanas e Terapia Ocupacional. Anais do XIV Congresso Brasileiro de Terapia Ocupacional/2015. Rev. Interinst. Bras. Ter. Ocup. Rio de Janeiro; Atoerj, 2016. p. 338.

SILVETRINI, Marina S.; SILVA, Carla R.; ALMEIDA PRADO, Ana Carolina S. Terapia ocupacional e cultura: dimensões ético-políticas e resistências. Cad. Bras. Ter. Ocup. São Carlos, v. 27, n.4, p. 929-940, 2019. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S2526-89102019000400929&script=sci_arttext. Acesso em agosto de 2020.

SILVESTRINI, Marina S. Terapia Ocupacional e Cultura: uma curadoria de tessituras entre Práticas, Diversidade e Direitos. 164f. (Dissertação de mestrado). Universidade Federal de São Carlos, Programa de Pós Graduação em Terapia Ocupacional, São Carlos, 2019.

SOARES, Luiz Eduardo; BILL, MV; ATHAYDE, Celso. Cabeça de porco. Rio de Janeiro: Objetiva, 2005.

SPOSITO, Marília P.; CARRANO, Paulo C. R. Juventude e políticas públicas no Brasil. Revista Brasileira de Educação [online], n. 24, set./dez, 2003. Pp 16 – 39. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S1413-24782003000300003. Acesso em agosto de 2020.

TAKEITI, Beatriz A.; VICENTIN, Maria Cristina G. Jovens (en)cena: arte, cultura e território. Cadernos de Terapia Ocupacional da UFSCar, São Carlos, v. 24, n. 1, p. 25-37, 2016. Disponível em: http://dx.doi.org/10.4322/0104-4931.ctoAO0667. Acesso em agosto 2020.

TAKEITI, Beatriz A.; VICENTIN, Maria Cristina G. Juventude(s) periférica(s) e subjetivações: narrativas de (re)existência juvenil em territórios culturais. Fractal, Revista de Psicologia, Rio de Janeiro, v. 31, n. esp, dez./ jan., 2019. Disponível em: http://dx.doi.org/10.22409/1984-0292/v31i_esp/29028. Acesso em agosto 2020.

Publicado

2020-02-24