O Brasil precisa ser uma grande Barra Longa

Autores

  • Juliana Marques de Sousa
  • Jennipher Taytsohn
  • Aline Priscila Craveiro Cardoso

DOI:

https://doi.org/10.46269/9ee20.522

Palavras-chave:

conflito socioambiental; pandemia; enfrentamento; Covid-19.

Resumo

Pouco mais de 5 mil habitantes, esseé o tecido social da cidade de Barra Longa – MG. Uma comunidade atravessada por um crime socioambiental sem precedentes na história do Brasil.Mas esta não é, apenas, a narrativa de um crime contra a vida, é tambéma evidência de como a organização coletiva de uma comunidade pode salvar da desesperança mais violenta e produzir uma sociabilidade outra. Martins (2000) nos provoca a colocar aquilo que é liminar como referência de compreensão sociológica;amparado nisso, buscou-se dar visibilidade à produção de existência daqueles que estão à margem para pensar alguns dos muitos adoecimentos crônicos da sociedade brasileira em paralelo àsituação aguda que se impõe com a pandemia da Covid-19. Convidamos à interlocução sobre um Brasil que precisa ser resistente à gravidade do mundo, coletivamente atuante, largamente solidário e absolutamente crítico às “normalidades” do nosso tempo, tem de ser, portanto, uma grande Barra Longa. O objetivodas reflexões aqui articuladas é ampliar as alternativas de amanhãs mesmo diante do pessimismo mais tentador.

Referências

ASSESSORIA TÉCNICA E EDUCACIONAL MEIO AMBIENTE E BARRAGENS. Projeto de Assessoria para Elaboração e Validação de Matriz de Danos junto aos Atingidos pela Barragem de Fundão (Barra Longa/MG). Rio de Janeiro, 2019.

BOURDIEU, Pierre. Poder simbólico. Portugal/Brasil: Difel/Bertrand, 1989.

CUNHA, Euclides da. Os Sertões. São Paulo: Nova Cultura, 2002.

FAVRET-SAADA, Jeanne. Ser afetado. Tradução de Paula de Siqueira Lopes. Cadernos de Campo, n.13, p. 155-161, 2005.

FARGE, Arlete. Lugares para a História. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2011.

GUEDES, André Dumans. Andaça, agitação, luta, autonomia, evolução: sentidos do movimento e da mobilidade. Revista do Centro de Estudos Rurais (RURIS), vol. 9, n. 1, 10 out. 2015.

MBEMBE, Achille. Necropolítica:biopoder, soberania, estado de exceção, política da morte. Arte & Ensaios. Revista PPGAV/EBA/UFRJ, n. 32, dez. 2016.

RIBEIRO, Darcy. Sobre o óbvio. Marília: Lutas Anticapital, 2019.

QUERELAS DO BRASIL. Faixa Musical. Autoria: Aldir Blanc e Maurício Tapajós. Intérprete: Elis Regina. Álbum: Transversal do Tempo. Gravadora: Universal Music, 1978. (3 min.)

VAINER,CarlosBernardo. Conceito de “atingido”: Uma revisão do debate. In: ROTHMAN, Franklin Daniel. Vidas Alagadas – Conflitos Socioambientais, Licenciamento e Barragens. Viçosa: Ed. UFV,p. 39 - 63, 2008.

VIEIRA, Flávia Braga; GHIBAUDI, Javier Walter. Solidariedade como instrumento da luta política:reflexões a partir das resistências populares na Argentina e no Brasil em tempos de pandemia.In: ALMICO, R.; GOODWIN JR, J.; SARAIVA, L. F (orgs.). Na saúde e na doença: história, crises e epidemias. Reflexões da história econômica na época da Covid-19. São Paulo: Hucitec, 2020.

VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo. O nativo relativo. Revista Mana, vol. 8, n. 1, p.113-148, 2002.

WEITZMAN, Rodica. Mineiros no Morro dos Prazeres:trajetórias marcadas pelo fluxo entre a roça e a cidade. In: COMERFORD, J.; CARNEIRO, A.; DAINESE, G. (orgs.). Giros etnográficos em Minas Gerais: casa, comida, prosa, festa, política, briga e o diabo. Rio de Janeiro: FAPERJ/7 letras, 2015.

Sites visitados

AFP. Parecia “o fim do mundo”, conta sobrevivente da tragédia de Mariana. Revista Isto É, 03 nov. 2016. Disponível em: https://istoe.com.br/parecia-o-fim-do-mundo-conta-sobrevivente-da-tragedia-de-mariana/. Acesso em: 24 mai. 2020.

Jornal A Sirene. Cartas da Quarentena (entrevista com Simone Silva, moradora de Barra Longa). Disponível em: http://jornalasirene.com.br/cotidiano/2020/05/18/cartas-da-quarentena. Acesso em: 02 jun. 2020.

Publicado

2020-12-17

Edição

Seção

Edição Especial (in)cômodos