Mesmo quando tudo pede um pouco mais de calma, até quando o corpo pede um pouco mais de alma... a live não para

Autores

DOI:

https://doi.org/10.46269/9ee20.473

Palavras-chave:

live, coronavírus, covid19, cultura, educação

Resumo

Este trabalho, mais livre e plural, busca analisar a emergência das lives artísticas e intelectuais num contexto pandêmico e em como elas nos possibilitam ficar em casa. Analisa-se as críticas realizadas pelo governo Bolsonaro aos setores culturais e acadêmicos, ao mesmo tempo em que tais setores se mostram ser imprescindíveis, tanto para o fazer educacional como para o fazer cultural, entretendo-nos e nos informando. Por fim, as divisões das seções são produzidas a partir de trechos da música ‘Paciência’ de Lenine, enquanto forma de explorar a intersecção entre arte e conhecimento acadêmico-científico, proporcionados nas inúmeras lives realizadas.

Palavras-chave: live, coronavírus, covid19, cultura, educação

Biografia do Autor

Tassio Acosta, Docente (Unisanta), Doutorando em Educação (Unicamp).

Docente da Universidade Santa Cecília (Unisanta), doutorando em educação (Unicamp), Mestre em Educação (UFSCar), Especialista em Ética, valores e cidadania na escola (USP), historiador e pedagogista. contato: tassioacosta@gmail.com

Referências

ACOSTA, Tássio. Gêneros e sexualidades na escola em tempos de conservadorismo censor policialesco. DICKMANN, Ivanio. [org.]. Rumos da Educação, 1ed. São Paulo: Dialogar, 2018. p. 211-227. ISBN: 978-85-93711-63-3

BRAUDEL, Fernand. História e Ciências Sociais. Revista de História, ano XVI, abr-jun, n. 62, 1965. Disponível em www.revistas.usp.br/revhistoria/article/view/123422/119736 Visualizado em 12 de maio de 2020.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. Mil platôs: capitalismo e esquizofrenia. Rio de Janeiro: Editora 34, 1996. v. 3

DOSSE, François. História do tempo presente e historiografia. Tempo e Argumento: Revista do Programa de Pós-Graduação em História. Florianópolis, v. 4, n. 1, p. 5 - 22, jan/jun, 2012. Disponível em http://www.revistas.udesc.br/index.php/tempo/article/view/2175180304012012005 Visualizado em 16 de maio de 2020

FOUCAULT, Michel. Segurança, Território, População. São Paulo: Martins Fontes, 2008.

FOUCAULT, Michel. Em defesa da sociedade: curso no Collège de France (1975-1976). 2ª ed., São Paulo: Editora WMF Martins Fontes, 2010.

FOUCAULT, Michel. Microfísica do poder. Rio de Janeiro: Graal, 2014.

GALLO, Silvio. Governamentalidade democrática e ensino de filosofia no Brasil contemporâneo. Cadernos de Pesquisa (Fundação Carlos Chagas), v.42, 2012, p.48 - 64. Disponível em http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_abstract&pid=S0100-15742012000100005&lng=en&nrm=iso&tlng=pt Acesso em: 28 mai. 2020

GALLO, Silvio. Biopolítica e subjetividade: resistência? Educar em Revista, Curitiba, Brasil, v. 33, n. 66, p. 77-94, out./dez. 2017b. Disponível em http://www.scielo.br/pdf/er/n66/0104-4060-er-66-77.pdf Acesso em: 10 mai. 2020

MBEMBE, Achille. Necropolítica: biopoder, soberania, estado de exceção, política da morte. Arte & Ensaios, revista do ppgav/eba/ufrj, n. 32, dezembro, 2016

MBEMBE, Achille. Poder brutal, resistência visceral. N-1 Edições, 2019.

MBEMBE, Achille. O direito universal à respiração. N-1 Edições, 2020. Disponível em https://n-1edicoes.org/020?fbclid=IwAR1rxCsK2y3ICnSo-HMdmEFI9jBipmMcMPr4oWTy9bQ8lcDodJpNCKO4TIo visualizado em 13 de maio de 2020.

RAGO, Margareth. “Estar na hora do mundo”: subjetividade e política em Foucault e nos feminismos. Interface (Botucatu), Botucatu, v. 23, e180515, 2019.

SCHÉRER, René. Aprender com Deleuze. Educ. Soc., Campinas , v. 26, n. 93, p. 1183-1194, Dec. 2005. Available from <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-73302005000400003&lng=en&nrm=iso>. access on 18 May 2020.

SINGER, André. Brasil, Dossiê: mobilizações, protestos e revoluções. Novos Estudos, 97, novembro de 2013. Disponível em www.scielo.br/pdf/nec/n97/03.pdf Acesso em 16 mai. 2020

Publicado

2020-12-17

Edição

Seção

Edição Especial (in)cômodos