Drogas ilícitas como ameaça à vida: perscrutando as representações de estudantes universitários

Autores

DOI:

https://doi.org/10.46269/8219.400

Palavras-chave:

Vida, Drogas, Representações Sociais.

Resumo

O artigo apresenta resultados de pesquisa que teve por objetivo geral compreender e refletir sobre a relação entre o consumo de drogas ilícitas e a vida pelas representações de estudantes universitários. Com efeito, a seguinte questão subsidiou o estudo: quais as representações de universitários a respeito do consumo de drogas ilícitas e sua relação com a vida? Os dados foram coletados por meio de entrevistas narrativas, gravadas em aparelho eletrônico, e, posteriormente, transcritas. Os resultados apontam que as representações dos investigados variam no que se refere ao uso de drogas como uma ameaça à vida. Como possíveis soluções para o problema, destacam a criação de estratégias educativas que contribuam para reflexão sobre a temática no contexto da Educação Superior.

Biografia do Autor

Daniella Oliveira da Silva

Licenciada em Pedagogia/UEFS, Feira de Santana, Bahia, Brasil. E-mail: daniellaosp@gmail.com. ORCID: 0000-0002-1910-426X. 

Referências

ARRUDA, A. Despertando do pesadelo: a interpretação. In: Angela Arruda e as representações sociais: estudos selecionados. Sousa, C. P. de S. et. al. (Orgs). Curitiba: Champagnat. São Paulo: Fundação Carlos Chagas, 2014.

DOISE, W. Da Psicologia Social à Psicologia Societal. Psicologia: Teoria e Pesquisa, v. 18, n. 1, p. 27-35, 2002.

JODELET, D. Representações sociais: um domínio em expansão. In: As representações sociais. JODELET, D. (Org.) Rio de Janeiro: EDUERJ, 2001.

JOVCHELOVITCH, S. e BAUER, M. W. Entrevista narrativa. In:Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som: um manual prático. Bauer, M. W e Gaskell, G. (Orgs.) Tradução de Pedrinho A. Guareschi – Petrópolis, RJ: Vozes, 2002.

BRASIL. Lei n. 11.343, de 23 de agosto de 2006. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2006/lei/l11343.htm.

MACHADO, L. B. Representações sociais: alguns apontamentos sobre a teoria e sua incursão no campo educacional. In: Incursões e investigações em representações sociais e educação. MACHADO, L. B.(Org.) – Recife: Editora Universitária da UFPE, 2013.

MARQUES, Ana Cecília PettaRoselli; CRUZ, Marcelo S. O adolescente e o uso de drogas. Revista Brasileira de Psiquiatria, 2000; 22 (Supl II): 32-6. Disponível em:

Organização das Nações Unidas (1988). Convenção contra o tráfico Ilícito de drogas narcóticas e substâncias psicotrópicas. Disponível em: http://www.unodc.org/. Último acesso em: 15/12/2015.

SCHENKER, M.; MINAYO, M. C. de S.Fatores de risco e de proteção para o uso de drogas na adolescência.RevistaCiência e Saúde Coletiva. 10(3):707-717, 2005.

BRASIL. Secretaria Nacional Antidrogas - SENAD. Política Nacional Antidrogas. Brasília. 2004.

SILVA, K. L. da et. al.Reflexões acerca do abuso de drogas e da violência na adolescência.Esc. Anna Nery (impr.) 2010, jul-set; 14 (3):605-610. Disponível em:

CAPRA, Fritjof. As conexões ocultas: Ciências para uma vida sustentável. São Paulo: Cultrix, 2002.

CAPRA, Fritjof. A teia da vida. São Paulo, Cultrix, 1996.

MAGULIS, L. e SAGAN, D. O que é a vida? Rio de Janeiro: Zahar. 2002.

FILHO, A. N. Porque os humanos usam drogas? In: As drogas na contemporaneidade: perspectivas clínicas e culturais. FILHO, A. N. et. al. (Orgs.) Salvador: EDUFBA, 2012.

ARANEDA, Rolando Toro. El Principio biocéntrico: Nuevo paradigm para lãs ciências humanas. La vida como matriz cultural. Chile, Editorial Cuarto propio, 2014.

Publicado

2020-08-24