Relações de trabalho no Polo de Confecção em Goiânia, GO: a informalidade persiste?

Autores

DOI:

https://doi.org/10.46269/9120.391

Palavras-chave:

Sociologia do trabalho

Resumo

O presente artigo tem como objetivo analisar as relações de trabalho no Polo de Confecção da Região da Rua 44 em Goiânia, Goiás, a fim de verificar a persistência ou não da informalidade na região. O estudo é de caráter descritivo, com abordagem qualitativa e quantitativa. Engloba a pesquisa bibliográfica e aplicação de questionários (240) e entrevistas (21). Os resultados revelam que a transferência da Feira Hippie para a região da Rua 44 impulsionou o comércio local, dando origem ao Polo de Confecção. Na atualidade, o Polo se constitui como um aglomerado de microempresas atacadistas de confecção, a maioria de produção própria. Todavia, a inserção dos trabalhadores na atividade ainda é marcada pela informalidade, tanto nas relações de trabalho quanto na atividade. Por certo, ainda que a atividade tenha se reconfigurado, o que se evidencia é a persistência da informalidade. 

 

Biografia do Autor

Selma Maria Silva, Instituto Federal de Goiás

Professora efetiva do Instituto Federal de Goiás, curso de Administração/Logística.

Referências

ARAÙJO, Ângela M. C.; AMORIM, Elaine R. A. Redes de subcontratação e trabalho a domicílio na indústria de confecção: um estudo na região de Campinas. Cadernos Pagu, Campinas, n.17-18, p. 267-310, 2001-2002.

ARAÚJO, Ângela M. C. O trabalho flexível e a informalidade reconfigurada. In: OLIVEIRA, R. Vras de; GOMES, Darcilene; TARGINO, Ívan (Org.). Marchas e contramarchas da informalidade do trabalho: das origens às novas abordagens. João Pessoa: Ed. Universitária da UFPB, 2011.

BRUSCHINI, Maria C. Trabalho e gênero no Brasil nos últimos dez anos. Cadernos de Pesquisa, v. 37, n. 132, p. 537-572, set.-dez. 2007.

CACCIAMALI, Maria. Globalização e processo de informalidade. Economia e Sociedade, Campinas, n. 14, p.153-174, 2000.

CASTRO, Sérgio D.; BRITO, Leila. Dinâmica produtiva da indústria de confecções de vestuário em Goiás. Goiânia, 2006. Disponível em: <http://www.seplan.go.gov.br/sepin/pub/conj/conj7/05.htm>. Acesso em: abr. 2014.

CASTEL, Robert. As metamorfoses da questão social: uma crônica do salário. Petrópolis, RJ: Vozes, 2009.

DEDECCA, Claudio S.; BALTAR, Paulo E. Mercado de trabalho e informalidade nos anos 90. Estudos Econômicos, São Paulo: IPE-USP, v. 27, n. especial, p. 65-84, 1997.

DRUCK, Maria da G.; BORGES, Ângela. Terceirização: balanço de uma década. Caderno CRH, Salvador, n. 37, p. 111-139, jul./dez. 2002.

DRUCK, Maria da G. Precarização e informalidade: algumas especificidades do caso brasileiro. In: VÉRAS de OLIVEIRA, Roberto; GOMES, Darcilene; TARGINO, Ivan (Org.). Marchas e contramarchas da informalidade do trabalho: das origens às novas abordagens. João Pessoa: Ed. Universitária da UFPB, 2011.

FILGUEIRAS, Luiz A. M; DRUCK, Maria da G.; AMARAL, Manoela F. do. O conceito de informalidade: um exercício de aplicação empírica. Caderno CRH, Salvador, v. 17, n. 41, p. 211-229, 2004.

FLICK, Uwe. Uma introdução à pesquisa qualitativa. Porto Alegre: Brookman, 2004.

HELENO, Edilane do A. Configuração do trabalho a domicílio nas confecções de roupas de jeans no município de Toritama, PE. 2013. 313 f. Tese (Doutorado em Sociologia) – Programa de Pós-Graduação em Sociologia, Universidade Federal de João Pessoa, 2013.

INIGUEZ, Lupicínio. Manual de análise do discurso em ciências sociais. Petrópolis, RJ: Vozes, 2004.

LAS CASAS, Alexandre. L. Administração de marketing: conceitos, planejamento e aplicação à realidade brasileira. São Paulo: Atlas, 2008.

LEITE, Márcia de P. Tecendo a precarização: trabalho a domicílio e estratégias sindicais na indústria de confecção em São Paulo. Trabalho, Educação, Saúde, v. 2, p. 239-265, mar. 2004.

LEITE, Márcia de P. O trabalho e suas reconfigurações: conceitos e realidades. In: LEITE, Márcia de P.; ARAÚJO, Ângela M. C. (Org.). O trabalho reconfigurado: ensaios sobre Brasil e México. São Paulo: Annablume; FAPESP, 2009.

LIMA, Jacob C.; SOARES, Maria J. B. Trabalho flexível e o novo informal. Caderno CRH, Salvador, n. 37, p. 163-180, jul.-dez. 2002.

LIMA, Ângela M. de S. As faces da subcontratação do trabalho: um estudo com trabalhadoras e trabalhadores da confecção de roupas de Cianorte e região. 2009. 355 f. Tese (Doutorado Ciências Sociais) – Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais, Universidade Estadual de Campinas, 2009.

LOPES, Edmar A. de B. As novas faces da informalidade na região central de Goiânia, GO: os trabalhadores ambulantes em um contexto de transformação do mercado de trabalho. 2008. 326 f. Tese (Doutorado em Ciências Sociais) – Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais, Universidade Estadual de Campinas, 2008.

MAIA, Carlos E.; COELHO, Tito O. O comércio varejista periódico no espaço urbano contemporâneo. Boletim Goiano de Geografia, v. 17. n. 2, 1997.

MINAYO, Maria C. de S. Pesquisa social: teoria, método e criatividade. Petrópolis, RJ: Vozes, 1998.

NEVES, Magda de A.; JAYME, Juliana G.; ZAMBELLI, Paulina. Trabalho e cidade: os camelôs e a construção dos shoppings populares em Belo Horizonte. In: ENCONTRO ANUAL DA ANPOCS, 30., 2006, Caxambu. Anais... Caxambu, 2006.

NEVES, Magda de A.; PEDROSA, Célia M. Gênero, flexibilidade e precarização: o trabalho a domicílio na indústria de confecções. Sociedade e Estado, Brasília, v. 22, n. 1, p. 11-34, jan.-abr. 2007.

NORONHA, Eduardo G. Informal, ilegal, injusto: percepções do mercado de trabalho no Brasil. Revista Brasileira de Ciências Sociais, v. 18, n. 53, p. 111-179, out. 2003.

NUNES, Jordão H.; CAMPOS, Andréia F. O setor de confecção em Goiânia: análise da relação entre trabalho doméstico e trabalho domiciliar. Sociedade e Cultura, v. 9, n. 2, p. 237-255, 2006.

RIBEIRO, Cleusa S.; BARROS, Adauto R. de; FELÌCIO, Antônio M.; JÚNIOR, Marciano M. Mudanças no uso do solo urbano no entrono da feira Hippie em Goiânia-GO: o caso da Rua 44. In: ENCONTRO NACIONAL DE GEÓGRAFOS, 13. 2002, João Pessoa. Anais... João Pessoa, 2002.

TOKMAN, Víctor E. Informalidad en América Latina: balance y perspectivas de política. Revista Internacional de Estadística y Geografia, v. 2, n. 3, p. 6-31, sept.-dic. 2011.

VÉRAS de OLIVEIRA, Roberto. Para discutir os ternos da nova informalidade: sobre sua validade enquanto categoria de análise na era da flexibilização. In: VÉRAS de VÉRAS de OLIVEIRA, Roberto; GOMES, Darcilene; TARGINO, Ivan (Org.). Marchas e contramarchas da informalidade do trabalho: das origens às novas abordagens. João Pessoa: Ed. Universitária da UFPB, 2011.

VIEIRA, Geruza S. de O. Desordem organizada: processo de interação social nos espaços públicos: um olhar sobre os vendedores ambulantes do Mercado Aberto em Goiânia. 2005. 135 f. Dissertação (Mestrado em Sociologia) – Programa de Pós-Graduação em Sociologia, Universidade Federal de Goiás, Goiânia, 2005.

VILASBOAS, Jaqueline P. de O. A capital goiana do jeans: flexibilidade, subcontratação e gênero no setor de confecção do município de Jaraguá, GO. 2015. 319 f. Tese (Doutorado em Ciências Sociais) – Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais, Universidade Estadual de Campinas, 2015.

Publicado

2020-02-24