Caminhos quilombolas

Autores

  • Eleandra Raquel da Silva Koch

Resumo

Este ensaio aborda a relação entre a luta por reconhecimento territorial - em duas comunidades quilombolas do Rio Grande do Sul - e a defesa da biodiversidade desses territórios. Essa análise emergiu a partir da minha relação com mulheres quilombolas, as quais são as protagonistas da organização das Comunidades da Costa da Lagoa e dos Alpes.


Palavras-chave: Quilombos; Biodiversidade; Territorialidade; Mulheres e Existência.

Referências

ALMEIDA, A, W, B. Terras tradicionalmente ocupadas: processos de territorialização, movimentos sociais e uso comum. Revista Brasileira de Estudos Urbanos e Regionais, v. 6, n. 1, ANPUR. Maio, 2004.

ASSOSSIAÇÃO BRASILEIRA DE ANTROPOLOGIA. Direitos quilombolas & dever de Estado. In: 25 anos da Constituição Federal de 1988: organização de Osvaldo Martins de Oliveira. – Rio de Janeiro. 2016.

BARTH, F. Grupos Étnicos e suas fronteiras. In: POUTIGNAT, P. Teorias da etnicidade. Seguido de grupos étnicos e suas fronteiras de Fredrik Barth, Philippe Poutignat, Jocelyne Streiff-Fenard. Tradução de Elcio Fernandes. São Paulo: UNESP, 1998.

BRASIL. Constituição, 1988. Promulgada em 5 de outubro de 1988. Brasília.

CHAGAS, Mírian. Da invisibilidade jurídica aos direitos de coletividades: fazer antropológico em terra de quilombos. In: Desenvolvimento, Reconhecimento de direitos e conflitos territoriais. Brasília. ABA, 2012. Disponível em: http://www.portal.abant.org.br/index.php/bibliotecas/livros. Acesso em 12 de agos de 2016.

CONTREAS, D. Mitología del extremo sur del continente americano. In: RESCANIERE, A, O. Mitologías Amerindias. Madrid. Editorial Trotta. 2006.

DESCOLA, P. 2006. As lanças do crepúsculo: relações jivaro na Alta Amazônia. São Paulo: Cosac & Naify.

ESCOBAR, A. O lugar da natureza e a natureza do lugar: globalização ou pósdesenvolvimento. En libro: A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. Perspectivas latino-americanas. Edgardo Lander (org). Colección Sur, CLACSO, Ciudad Autónoma de Buenos Aires, Argentina. Setembro 2005. pp.133-168.

INGOLD, T. Humanity and animality. In: Ingold, T.(Org.). Companion encyclopedia of anthropology. London: Routledge, 1994.

____________. O dédalo e o labirinto: caminhar, imaginar e educar a atenção. Horizontes Antropológicos, Porto Alegre, ano 21, n. 44, p. 21-36, jul./dez. 2015.

INSTITUTO NACIONAL DE COLONIZAÇÃO E REFORMA AGRÁRIA. Relatório Antropológico de Reconhecimento e Delimitação do Território Quilombola da Costa da Lagoa. INCRA. Porto Alegre, 2015.

JARDIM, D e S, C, J. Batalha dos papéis: notas sobre as tensões entre procedimentos escritos e memória na regularização fundiária de terras de quilombos no Brasil. UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL, Porto Alegre, 2015. Disponível em: http://www.lume.ufrgs.br/handle/10183/112180?locale=en. Acesso em 12 de jul. de 2016.

LATOUR, B. 1994. Jamais fomos modernos: ensaio de antropologia simétrica. Rio de Janeiro: Editora 34

________Bruno. Reagregando o Social: uma introdução à Teoria do Ator-Rede. Trad. Gilson César Cardoso de Sousa. Salvador/Bauru: Edufba/Edusc, 2012.

LAW, J. O laboratório e suas redes. (tradução de Ana Lúcia do Amaral Villasboas, revista por Ivan da Costa Marques). Reprodução livre, em Português Brasileiro, do texto original para fins de estudo, sem vantagens pecuniárias envolvidas. Todos os direitos preservados. http://www.necso.ufrj.br/ 25/01/2012.

MELIÁ. B. Mitología Guarani. IN: RESCANIERE, Alejandro Ortiz. Mitologías Amerindias. Madrid. Editorial Trotta.2006. O’DWYER, Eliane Cantarino (org.). Quilombos: identidade étnica e territorialidade. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2002.

O’DWYER, E, C (Org). Quilombos: identidade étnica e territorialidade. Rio de Janeiro: FGV, 2002.

________________________ O papel social do antropólogo. Aplicação do fazer antropológico e do conhecimento disciplinar nos debates públicos do Brasil contemporâneo. Rio de Janeiro: e-papers, 2010.

ROCHA, A. Etnografia: saberes e práticas. Revista Iluminuras. v. 9. n. 21, 2008. Disponível em: hltp://seer.ufrgs.br/ilurnillurasJarticle/view/9301 Acessado em 18 de agosto de 2018.

STRATHERN, M. Fora de Contexto. São Paulo: Editora Terceiro Nome, 2013.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL. Relatório Sócio, Histórico e Antropológico da Comunidade Quilombola dos Alpes – Porto Alegre-RS. UFRGS. Porto Alegre, 2007.

VIVEIROS DE CASTRO, E. Os pronomes cosmológicos e o perspectivismo ameríndio. Mana [online]. 1996, vol.2, n.2 [cited 2015-04-23].

Publicado

2019-11-23