Tecendo uma possível trajetória para entender os estudos de gênero e os gêneros fluidos: Ponderações a partir da performace de um casal não-binário "Sopa de Gênero e a Destruição dos Prédios"

Autores

  • Luana Adriano Araujo
  • Levi Mota Muniz
  • Matheus dos Santos Melo

Resumo

Investiga-se, neste trabalho, as identidades de gênero fluidas, apresentando ponderações e reflexões sobre identidade, gênero e o relato de experiência de um casal não-binário, que performa em Fortaleza/CE - uma cidade de cotidiana violência contra o corpo trans. Desafiando a normatividade da cidade e almejando destruir antigas barreiras para construir outras proposições para os fluxos citadinos, o casal auto intitula sua performance cotidiana de “Sopa de Gênero e a Destruição de prédios”, fazendo uma alusão às suas montações enquanto uma mistura e o caráter “bélico” que suas identidades fluidas trazem.


Palavras-Chave: Gênero; Identidade; Gênero Fluido; Afetividade; Cidade.

Referências

AGAMBEN, Giorgio. O que é um dispositivo? In: outra travessia, Florianópolis, n. 5, p. 9-16, jan. 2005. Disponível em: <https://periodicos.ufsc.br/index.php/Outra/article/view/12576/11743>. Acesso em: 15 mar. 2019.

ALBANO, Ronaldo Matos. Os estudos sobre gênero ao longo da história. Universidade Federal do Piauí. Piauí, 2016.

BENTO, Berenice. Transviad@s: gênero, sexualidade e direitos humanos. Salvador: EDUFBA, 2017.

_______. Homem não tece a dor: queixas e perplexidades masculinas. Natal: EDUFRN, 2015.

_______. O que é transexualidade. São Paulo: Editora Brasiliense, 2008.

_______. A reinvenção do corpo: gênero e sexualidade na experiência transexual. Rio de Janeiro: Editora Garamond, 2006.

BENJAMIN, Walter. Crítica da Violencia-Crítica do Poder. In: Documentos de cultura, documentos de barbárie: escritos escolhidos. São Paulo: Cultrix, Editora da Universidade de São Paulo, 1986.

BONDÍA, JL. Notas sobre a experiência e o saber de experiência. RevBras Educ. 2002.

COHEN, Jeffrey. “A cultura dos monstros: sete teses”. In: SILVA, Tomaz Tadeu da (Org.). Pedagogia dos monstros. Os prazeres e os perigos da confusão de fronteiras. Tradução de Tomaz Tadeu as Silva. Belo Horizonte: Autêntica, 2000. p. 23-60.

DELEUZE, G. Espinosa – filosofia prática. Trad. Daniel Lins e Fabien Pascal Lins. São Paulo: Editora Escuta, 2002.

FERNANDES, Ciane. Princípios em movimento na pesquisa somático performativa. In: Resumos do 5º seminário de pesquisas em andamento PPGAC/USP /Org.: Charles Roberto Silva, v.3, n.1 – São Paulo: PPGAC-ECA/USP, 2015.

FURLAN, Cássia. MAIO, Eliane. Pedagogias do corpo: é possível a escola ser um espaço de reconstrução?. In: MESSEDER, Suely; GARCIA; Mary; MOUTINHO, Laura. Enlaçando Sexualidades: Uma tessitura interdisciplinar no reino das sexualidades e das relações de gênero. Salvador: EDUFBA, 2016.

GIESELER, Carly. Gender-reveal parties: performing community identity in pink and blue. In: Journal of Gender Studies. Disponível em: <http://dx.doi.org/10.1080/09589236.2017.1287066> Acesso em: 15 mar. 2019.

HASEMAN, Brad. Manifesto pela Pesquisa Performativa. In: SILVA, Charles R.; FELIX, daina; et al (orgs). Resumos do 5 Seminário de Pesquisas em Andamento PPGAC/USP. São Paulo: PPGAC-ECA/USP, 2015.(p. 41-53).

HALL, Stuart. Cultural Studies and Its Theoretical Legacies. In: Critical Dialogues in Cultural Studies. Eds. David Morley and Kuan-Hsing Chen. Londres: Routledge, 1996.

HUBERMAN, Georges. A inelutável Cisao do Ver. Sao Paulo: Editora 34, 1998.

JACKSON, Mathew. Re-presenting gender fluid identity in a contemporary arts practice. (Thesis). Edith Cowan University. 2011. Disponível em: <http://ro.ecu.edu.au/theses/430> Acesso em: 05/07/2018.

JESUS, Jaqueline Gomes de. Orientações sobre identidade de gênero: conceitos e termos. Brasília: Publicação online, abr. 2012.

MBEMBE, Achille. Necropolítica. Revista do PPGArtes, Rio de Janeiro: Arte & Ensaios, UFRJ. 2016.

POCAHY, Fernando. Micropolíticas Queer: Dissidências em Pesquisa. Revista Textura (ULBRA). 2015. Disponível em: <http://www.periodicos.ulbra.br/index.php/txra/article/viewFile/2200/1936. Acesso em 24/04/2018> Acesso em: 15 mar. 2019.

RANGEL, Sonia.Processos de Criação: Atividade de Fronteira. São Paulo: TERRITÓRIOS E FRONTEIRAS DA CENA, Revista do Grupo de Pesquisa em Performance, Artes Cênicas e Tecnologia. PACT-UFSC. 2006.

ROLNIK, Suely. Lygia Clark e o hibrido arte/ clínica. Percurso: Revista de Psicanálise, ano VIII, 16: 43-48, 1996.

______ . Instaurações de mundos. São Paulo, Domínio Virtual, 1997, Disponível em: <http://www.pucsp.br/nucleodesubjetividade/Textos/SUELY/Instauracao.pdf>, Acesso em: 15 mar. 2019.

______. Guerra dos Gêneros ou Guerra Aos Gêneros. Ensaio escrito sob encomenda de TRANS. Arts. Cultures. Media (Nova York, Passim, inc.), para a abertura da sessão «Genders War» no 3 da revista (1996a).

______. Lygia Clark e o hibrido arte/ clínica. Percurso: Revista de Psicanálise, ano VIII,16: 43-48, 1996b.

SANTINELLO, Jamile. A identidade do indivíduo e sua construção nas relações sociais: pressupostos teóricos. Revista de Estudos da Comunicação, Curitiba, Pontífica Universidade Católica do Paraná, n. 28, maio/ago. 2011.

SILVA, Tomaz Tadeu da Silva. A produção social da identidade e da diferença. In: SILVA, Tomaz Tadeu da Silva. HALL, Stuart. WOODWARD, Kathryn. Identidade e Diferença: a perspectiva dos estudos culturais. Rio de Janeiro: Vozes. 2008.

Publicado

2019-11-23