A interseção entre o ambientalismo e o feminismo da diferença no culto do Santo Daime

Autores

  • Camila de Pieri Benedito

Resumo

O Santo Daime, a mais antiga das religiões ayahuasqueiras, caracteriza-se antropologicamente como um modo original, institucionalizado e não indígena do uso ritual da ayahuasca. Nascido na cidade de Rio Branco como um pequeno culto eclético em 1930, hoje integra o mercado global das religiões e absorve número crescente de adeptos e adeptas estando, neste intercâmbio cultural, em constante transformação. O presente artigo observa o Santo Daime e estas transformações pela face devocional mariana do culto, partindo de sua fundação até sua expansão para além da Amazônia, com isso descrevendo suas raízes ligadas ao catolicismo tradicional rural e uma atualização contemporânea, que a relaciona ao ambientalismo e ao feminismo da diferença. A análise se utiliza das perspectivas teórico-metodológicas de gênero e religião e da bibliografia especializada sobre as religiões ayahuasqueiras. Também sustenta a reflexão os dados de campo colhidos em uma comunidade mineira do Santo Daime, entre os anos de 2015 e 2017.


Palavras-chave: Religiões Ayahuasqueiras; Religiosidade Amazônica; Devoção Mariana; Santo Daime; Gênero e Religião.

Referências

ADELMAN, Miriam. A voz e a escuta: encontros e desencontros entre a teoria feminista e a sociologia contemporânea. São Paulo: Ed. Bluncher Acadêmico, 2009.

ALVERGA, Alex Polari de. O Evangelho Segundo Sebastião Mota. Céu do Mapiá: CEFLURIS Editorial, 1998.

AMARAL, Leila. Cultura religiosa errante – o que o Censo de 2010 pode nos dizer além dos dados. In: TEIXEIRA, Faustino; MENEZES, Renata. Religiões em movimento: O Censo de 2010. Petrópolis: Vozes, p. 295-310, 2010.

ASSIS, Glauber Loures. A Religião of the Floresta: Apontamentos sociológicos em direção a uma genealogia do Santo Daime e seu processo de diáspora. Tese de doutorado, Sociologia. Belo Horizonte: UFMG, 2017.

ASSIS, Glauber Loures; LABATE; Beatriz Caiuby. A expansão e internacionalização do Santo Daime: uma religião ayahuasqueira brasileira no cenário religioso global. In: Anais do 38º Encontro Anual da ANPOCS. Caxambu: 2014.

BUTLER, Judith. Problemas de gênero: Feminismo e subversão da identidade. Rio de Janeiro: Ed. Civilização Brasileira, 2003.

CAMARGO, Cândido Procópio F. Católicos, protestantes e espíritas. São Paulo: Editora Vozes, 1973.

CAVNAR, Clancy. Reflections On Spirituality, Gender, and Power in my Experience with Santo Daime. In: World Ayahuasca Conference, Ibiza, p. 25-27, 2014.

CIPOLINI, Pedro Carlos. A devoção mariana no Brasil. Revista Telecomunicação. Porto Alegre: n. 1, v. 40, p. 36-43, 2010.

CORDOVIL, Daniela. O poder feminino nas práticas da Wicca: uma análise dos “Círculos de Mulheres”. In: Estudos Feministas. Florianópolis: v.23, n.2, 2015.

CSORDAS, Thomas, J. A Handmaid’s Tale: The Rhetoric of Personhood in American and Japanese Healing of Abortions. In: MORO, Pamela A., Magic, Witchcraft, and Religion: A Reader in the Anthropology of Religion. New York: The McGraw-Hill Companies, 2012.

DOMEZI, Maria Cecília. Maria e as Mulheres. In: Academia Marial de Aparecida. (Org.) Aparecida: 300 anos de fé e devoção. 01ed.Aparecida, SP: Santuário, 2017, v. 01, p. 235-251.

FERREIRA, Claudio Alvarez. Santo Daime: simbolismo religioso. Monografia de conclusão de curso, história. Campinas: Unicamp, 1995.

_____. O Vinho das Almas: xamanismo e cristianismo no santo daime. Dissertação de mestrado, Ciências da Religião. São Paulo: PUC-SP, São Paulo, 2008.

FOTIOU, Evgenia. The Globalization of Ayahuasca Shamanism and the Erasure of Indigenous Shamanism. In: Anthropology of Consciousness, Vol. 27, Issue 2, pp. 151–179, 2016.

FRÓES, Vera. Santo Daime. Cultura Amazônica: História do Povo Juramidam. Manaus: Suframa, 1986.

GALVÃO, Eduardo. Santos e Visagens. São Paulo, Companhia Editora Nacional,

GOULART, Sandra L. As raízes culturais do Santo Daime. Dissertação de mestrado, Ciências Sociais. São Paulo: USP, 1996.

_____. Contrastes e Continuidades em uma Tradição Amazônica: as religiões da ayahuasca. Tese de doutorado, Antropologia. Campinas: Unicamp, 2004.

GUERRIERO, Silas. Novos movimentos religiosos: O quadro brasileiro. São Paulo, Paulinas, 2006.

GROISMAN, Alberto. “Eu venho da floresta”: ecletismo e praxis xamânica daimista no “Céu do Mapiá”. Dissertação de Mestrado. Florianópolis: Universidade Federal de Santa Catarina, 1991.

LABATE, Beatriz C. A reinvenção do uso da ayahuasca nos centros urbanos. São Paulo: Fapesp, Mercado das Letras, 2004.

LABATE, Beatriz C., ROSE, Isabel S., SANTOS, Rafael Guimarães dos. Religiões ayahuasqueiras: um balanço bibliográfico. Fapesp, Mercado das Letras, 2008.

LABATE, Beatriz C., PACHECO, Gustavo. Música brasileira de ayahuasca. Campinas: Mercado das Letras, 2009.

Langdon, Esther Jean. Las Classificaciones del Yajé dentro del grupo Siona: etnobotânica,etnoquímica e história. In: LUNA, L. E. (org.). América Indígena, México, Inst. Ind. Interamericano, vol. XLVI, no.1, 1986.

LOBATO, S. S. Santos e sacramentos no cotidiano dos trabalhadores de Macapá (1948-1964). Tempo (Niterói. Online), v. 21, p. 1-20, 2015.

LUNA, Luiz Eduardo. Xamanismo amazônico, ayahuasca, antropomorfismo e mundo natural. In: LABATE, Beatriz; ARAUJO, Wladmy (Orgs.) O Uso Ritual da Ayahuasca. São Paulo: FAPESP, Mercado das Letras, 2009.

MACRAE, Edward. Um pleito pela tolerância entre as diferentes linhas ayahuasqueiras. In: LABATE, Beatriz; ARAUJO, Wladmy (Orgs.) O Uso Ritual da Ayahuasca. São Paulo: FAPESP, Mercado das Letras, 2009.

MAGNANI, Guilherme. O Brasil da Nova Era. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2000.

MOREIRA, Paulo; MACRAE, Edward. Eu venho de longe: Mestre Irineu e suas histórias. Salvador: Editora ABESUP, 2011.

PELIKAN, Jaroslav. Mary through centuries: her place in the history of culture. Harrisonburg: Donnelley & Sons Company, 1996.

PRANDI, Reginaldo. Os candomblés de São Paulo: a velha magia na metrópole nova. São Paulo, Hucitec, 1991.

PINTO, Marilina C. O. B. Serra; SOUZA, André Ricardo de. Fronteiras do sagrado entre a umbanda e a barquinha. In: PINTO, Marilina C. O. Serra; MORAIS, Maria de Jesus; LIMA, Jacob Carlos (Orgs.). Processos de territorialização e identidades sociais. São Carlos: Rima, EDUA, v. 2, p. 97-106, 2012.

REHEN, Lucas Kastrup F. Música, emoção e entendimento: a experiência de holandeses no ritual do Santo Daime. Tese de Doutorado em Ciências Sociais, Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais/PPCIS, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2011.

ROCHA, Carolina. O Sabá do Sertão: Feiticeiras, Demônios e Jesuítas no Piauí Colonial (1750-1758). Judiaí: Paco Editorial, 2015.

TORNQUIST, Carmen Susana. Armadilhas da Nova Era. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 10, n.2, p. 483-492, 2002.

WRIGHT, Robin. The Fruit of Knowledge and the Bodies of the Gods: Religious Meanings of Plants among the Baniwa. In: Journal for the Study of Religion, Nature and Culture. Vol. 3, n. 1, 2009.

Publicado

2019-11-23