O trabalho publicitário: um modelo para o mundo do trabalho futuro?

Autores

  • Fábio Luiz Tezini Crocco Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA) Departamento de Humanidades (IEFH)

DOI:

https://doi.org/10.46269/8119.358

Palavras-chave:

Trabalho, Publicidade, Flexibilidade, Instabilidade, Precariedade

Resumo

O objetivo deste artigo é discutir as condições de trabalho dos profissionais da publicidade e refletir sobre as consequências de tê-las como modelo para o mundo do trabalho futuro. O trabalho publicitário possui características cada vez mais valorizadas no mercado de trabalho e apresentadas como modelo para outras profissões. A criatividade, a inovação, a flexibilidade e a autonomia são habilidades e capacidades exigidas desse profissional e elencadas como fundamentais para todos os profissionais do futuro. Entretanto, o enaltecimento destas características está relacionado com o avanço da flexibilização neoliberal que resulta em precariedades para os trabalhadores.

Biografia do Autor

Fábio Luiz Tezini Crocco, Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA) Departamento de Humanidades (IEFH)

É doutor em Ciências Sociais pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (UNESP) na linha de pesquisa Determinações do Mundo do Trabalho. Desenvolveu estágio doutoral no Centro de Estudos Sociais (CES) vinculado à Universidade de Coimbra em Portugal (2014). Possui graduação em Ciências Sociais pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (UNESP) - Bacharelado (2005) e Licenciatura (2006) e mestrado em Filosofia pela mesma instituição (2008). Atualmente é professor do Departamento de Humanidades (IEFH) do Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA). Tem experiência nas áreas de Sociologia e Filosofia Moderna e Contemporânea, atuando com referências teóricas do materialismo histórico, sociologia do trabalho e teoria crítica.

Referências

ALVES, Giovanni. Trabalho e subjetividade: o espírito do toyotismo na era do capitalismo manipulatório. São Paulo: Ed. Boitempo, 2011.

AMORIM, Henrique. Trabalho imaterial em discussão: teoria e política. Cad. CHR[online], vol. 2, n.70., pp.9-12. 2014.

BELL, Daniel. O Advento da Sociedade Pós-Industrial. São Paulo. Cultrix. 1974.

BOTELHO, Isaura. Criatividade em pauta: alguns elementos para reflexão. In: BRASIL. Plano da Secretaria da Economia Criativa: políticas, diretrizes e ações 2011 a 2014. Brasília, Ministério da Cultura, 2011.

CARRASCOZA, João A.. Redação publicitária – Estudos sobre a retórica do consumo. São Paulo: Futura, 2003.

______. E o vento mudou... as transformações do trabalho publicitário. In: CASAQUI, Vander et al.. (Orgs). Trabalho em publicidade e propaganda: história, formação profissional, comunicação e imaginário. São Paul: Atlas, 2011.

______. O trabalho publicitário: uma jam session. Improviso na criação e cotidiano com poucas variações. Contracampo, Niterói, v. 35, n. 03, dez. 2016/ mar. 2017.

CASAQUI, Vander et al.. Publicidade imaginada: a visão dos estudantes sobre o mundo do trabalho publicitário. In: CASAQUI, Vander et al.. (Orgs). Trabalho em publicidade e propaganda: história, formação profissional, comunicação e imaginário. São Paul: Atlas, 2011.

CHESNAIS, François. A mundialização do capital. São Paulo, Xamã. 1996.

______. “A emergência de um regime de acumulação mundial predominantemente financeiro”. São Paulo. Praga – Estudos Marxistas, nº 3, set/1997.

CROCCO, Fábio L. T. Sobre o papel desempenhado pela cultura no projeto neoliberal. Revista Contemporânea, v. 7, n. 1, p. 149-166, Jan.–Jun. 2017.

HARVEY, David. Condição pós-moderna: Uma pesquisa sobre as origens da mudança cultural. São Paulo: Loyola. 1992.

KREIN, Dari; CASTRO, Bárbara. As formas flexíveis de contratação e a divisão sexual do trabalho. In: Friedrich-Ebert-Stiftung (FES), Análise 6/2015. Disponível em: <http://www.cesit.net.br/wp-content/uploads/2016/06/TD_FES_Dari.pdf> acesso em: 10 mai. 2019.

MENGER, Pierre-Michel. Retrato do artista enquanto trabalhador: metamorfoses do capitalismo. Tradução de BORGES, Vera; PLACE, Danielle e GOMES, Isabel. Lisboa: Editora Roma, 2005.

OLIVEIRA, Daniela F. Cultura e Trabalho em Agências de Publicidade do Brasil: a Comunicação e a Perspectiva Ergológica. In: Congresso Brasileiro de Ciência da Comunicação, XXXVI, 2015, Rio de Janeiro. Anais (Online). Intercom, 2015.

PAULINO, Roseli A. F. Perfil sociocultural dos comunicadores: conhecendo quem produz a informação publicitária. In: CASAQUI, Vander et al.. (Orgs). Trabalho em publicidade e propaganda: história, formação profissional, comunicação e imaginário. São Paul: Atlas, 2011.

PERISCINOTO, A,; TELES, I. Mais vale o que se aprende que o que te ensinam. São Paulo: Best Seller, 1995.

ROCHA, Everardo P. Guimarães. Magia e capitalismo – Um estudo antropológico da publicidade. 2a. ed. São Paulo: Brasiliense, 1990.

ROCHA, Maria E. M. A nova retórica do capital: a publicidade brasileira em tempos neoliberais. São Paulo: Edusp, 2010.

VELLEI, Carolina. Washington Olivetto dá dicas sobre a carreira de Publicidade e Propaganda. Guia do Estudante, Blog Por dentro das profissões, São Paulo, 17 abr. 2012. Disponível em: <https://guiadoestudante.abril.com.br/blog/pordentrodasprofissoes/washington-olivetto-da-dicas-sobre-a-carreira-de-publicidade-e-propaganda/>. Acesso em: 12 mai. 2019.

Publicado

2019-04-07