MASCULINIDADES PERFORMATIVAS NO CONTEXTO ESCOLAR: ENTRE REGULAÇÕES, TENSÕES E SUBVERSÕES

Autores

  • Paulo Melgaço da Silva Júnior Rede FAETEC - RJ; Rede Municipal de Duque de Caxias - RJ
  • Leandro Teofilo de Brito Colégio Pedro II

DOI:

https://doi.org/10.46269/7118.308

Palavras-chave:

Masculinidades. Performatividade. Queer. Escola. Narrativas.

Resumo

Problematizamos, neste artigo, narrativas de jovens adolescentes, sobre os sentidos das masculinidades, como performances, no contexto escolar. Para tal, trazemos como base teórica, os estudos Queer, com destaque para a noção de performatividade de gênero, da teórica feminista Judith Butler, para pensar sobre a categoria masculinidade. Os jovens adolescentes, enunciaram em suas narrativas, discursos múltiplos e, de uma maneira geral, divergentes sobre os significados de “ser homem” no contexto escolar. Deste modo, pensar em masculinidades performativas, nos direciona a vislumbrar o reconhecimento de infinitas possibilidades de “ser homem”, contestando a imposição de padrões e regulações sobre os sentidos do masculino, em particular, nos contextos escolares

Biografia do Autor

Paulo Melgaço da Silva Júnior, Rede FAETEC - RJ; Rede Municipal de Duque de Caxias - RJ

Pós-doutorando em Educação e Doutor em Educação - PPGE/UFRJ; Docente da Rede FAETEC - RJ e da Rede Municipal de Duque de Caxias - RJ

Leandro Teofilo de Brito, Colégio Pedro II

Doutor em Educação - Universidade do Estado do Rio de Janeiro; Docente EBTT do Colégio Pedro II

Referências

ARTES, A. C. A.; CARVALHO, M. P. O trabalho como fator determinante da defasagem escolar dos meninos no Brasil: mito ou realidade? Cadernos Pagu, Campinas, v. 34, p. 41-74, jan/jun. 2010. Disponível em: < http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0104-83332010000100004&script=sci_abstract&tlng=pt>. Acesso em: 17 de fev. de 2018.

AUSTIN, J. L. Quando dizer é fazer. Porto Alegre: Artes Médicas.

BACHILLER, C. R. Poscolonialismo y teoria Queer. In: CORDOBA, D.; SAEZ, J. VIDARTE P. (Org.) Teoria Queer: políticas bolleras, maricas, trans, mestizas. Barcelona/Madri: Egales, 2005, p.22 – 48.

BADINTER, E. XY. Sobre a Identidade Masculina. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1993.

BASTOS, L. C. Contando Estórias em contextos espontâneos e institucionais: uma introdução ao estudo da narrativa. Caleidoscópio, Brasília, v.3, n. 2, mai./ago. p.44/47, 2005. Disponível em: < https://www.academia.edu/21840738/Contando_est%C3%B3rias_em_contextos_espont%C3%A2neos_e_institucionais_-_uma_introdu%C3%A7%C3%A3o_ao_estudo_da_narrativa>. Acesso em: 20 de mai. De 2018.

BENTO, B. Homem não tece a dor: queixas e perplexidades masculinas. Natal: UFRN, 2013.

BORRILLO, D. Homofobia: história e crítica de um preconceito. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2010.

BRITO, L. T. Masculinidades precárias: narrativas de jovens gays sobre homofobia no contexto escolar. In: FERRARI, A.; CASTRO, R. P. (Org.). ABEH e a construção de um campo de pesquisa e conhecimento: desafios e potencialidades de nos re-inventarmos. Campina Grande - PB: Editora Realize, 2017, p. 578-586.

BRITO, L. T.; FREITAS, J. G. O.; SANTOS, M. P. “Não, Isso não é Coisa pra Homem”- Masculinidades e os Processos de Inclusão/Exclusão em uma Escola da Baixada Fluminense – RJ. Revista Latino-Americana de Geografia e Gênero, v. 5, n. 2, p. 114-125, jan./jun. 2014. Disponível em: <http://www.revistas2.uepg.br/index.php/rlagg/article/view/6137 >. Acesso em: 17 de fev. de 2018.

BUTLER, J. Performatividad, precariedad y políticas sexuales. Revista de Antropología Iberoamericana, Madrid, v. 4, n. 3, sep./dec. 2009, p. 321-336. Disponível em: < http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=62312914003>. Acesso em: 17 de fev. de 2018.

BUTLER, J. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. 8ª edição. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2015.

BUTLER, J. Repensar la vulnerabilidade y la resistencia. In: XV Simposio de la Asociación Internacional de Filósofas (IAPh), Alcalá de Henares, España, 2014. Disponível em: http://www.cihuatl.pueg.unam.mx/pinakes/userdocs/assusr/A2/A2_2195.pdf. Acesso em: 20 de mai. de 2018.

CAETANO, M. Performatividades Reguladas: heteronormatividade, narrativas biográficas e educação. Curitiba: Editora Appris, 2016.

CAETANO, M. R. V.; SILVA JUNIOR, P. M.; GOULART, T. E. S. Masculinidades hegemônicas e dissidências: tensões curriculares em cotidianos de escolas da periferia. Reflexão e Ação, Santa Cruz do Sul, v. 24, n. 1, p. 214-232, jan./abr. 2016. Disponível em: < https://online.unisc.br/seer/index.php/reflex/article/view/6851/pdf >. Acesso em: 17 de fev. de 2018.

CARLSON, D. Who AmI? Gay Identity and a Democratic Politics of the Self. In: PINAR, W. E. (Org.) Queer Theory in Education. New Jersey e Londres: Lawrence Erlanbaum Associates Publishers, 1998.

COUTO JUNIOR, D. R. ; BRITO, L. T. “Vocês conhecem algumx -heterossexual flexível??”: masculinidades performativas em debate. ETD: EDUCAÇÃO TEMÁTICA DIGITAL, v. 20, p. 81-97, 2018. Disponível em: < https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/etd/article/view/8647597>. Disponivel em: 20 de mai. de 2018.

FROSH, S.; PHOENIX, A.; PATTMAN, R. Young Masculinities. New York: Palgrave, 2002.

GOFFMAN, E. Performances: belief in the part one is playing. In: BIAL, H. (Org.). The performance Studies Reader. Nova York: Routledge, 2004, p.17-24.

LOURO, Guacira Lopes. Um corpo estranho: ensaios sobre sexualidade e teoria Queer. Belo Horizonte: Autêntica, 2008.

MISKOLCI, Richard. Teoria Queer: um aprendizado pelas diferenças. Autêntica, 2013.

MOITA LOPES, L. P. Praticas narrativas como espaço de construção das identidades sócias – uma abordagem socioconstrucionista. In: RIBEIRO, B. T.; LIMA, C. C.; DANTAS, M. T. L. Narrativa, Identidade e Clinica. Rio de Janeiro: Edições IPUB - CUCA, p. 55-71.

O`DONNELL, M.; SHARP, S. Uncertain Masculinities. Londres: Routledge, 2002.

PELÚCIO, L. O Cu (de) Preciado? Estratégias cucarachas para não higienizar o Queer no Brasil. Iberic@l: Revue d´études ibériques et ibéro-américaines, Paris, v. 1, p. 123-136, jul. 2016. Disponível em: < http://iberical.paris-sorbonne.fr/wp-content/uploads/2016/05/Pages-from-Iberic@l-no9-printemps-2016-12.pdf > . Acesso em: 17 de fev. de 2018.

PENNYCOOK, A. Global Englishes and Transcultural Flows. Nova York: Routledge, 2007.

SCHIFFRIN, D. Speech Act Theory. In: SCHIFFRIN, D. Approchse to Discourse. Cambridge, Mass: Blackwell, 1994, p. 15 – 22.

SEDGWICK, E. K. How to bring your kids up gay. Social Text, n. 29, 1991, p. 18-27.

SEFFNER, F.; SILVA, L. F. “Mind the trap”: o menino, a escola e a folha de alface. Educação, Porto Alegre, v. 39, n. 3, set./dez. 2016. Disponível em: <http://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/faced/article/view/22451/15154>. Acesso em: 17 de fev. de 2018.

SILVA JUNIOR, P. M. “Se der mole ... eu passo o rodo”: quando as questões de gênero, sexualidades, masculinidades e raça invadem o cotidiano escolar. Revista Café com Sociologia, Maceió, v.6, n.1, 2017. Disponível em: https://revistacafecomsociologia.com/revista/index.php/revista/article/view/789. Acesso em: 10 de mar. de 2018.

SULLIVAN, N. A critical introduction to Queer theory. Nova York: New York University Press, 2003.

THORNBORROW,J.; COATES, J. The Sociolinguistics of narrative. Amsterdam: John Benjamins, 2005.

THREADGOLD, T. Performing theories of narrative: theorizing narrative performance. In: THORNBORROW, J.; COATES, J. (Org.). The Sociolinguistics of Narrative. Amsterdam: John Benjamins, 2005. p. 261-278.

WARNER, M. Fear of a Queer planet: Queer politics and social theory. Minnesota: Minnesota Press, 1991.

WILCHINS, R. Queer theory, gender theory. Los Angeles: Alysson Books, 2004.

WORTHAM, S. Narratives in Action. New York: Teachers College Press, 2001.

Publicado

2018-06-18