A produção de indicadores sociais no contexto neoliberal: o caso do Programa Minha Casa Minha Vida

Autores

  • Thalles Vichiato Breda Programa de Pós Graduação em Sociologia, Universidade Federal de São Carlos.

DOI:

https://doi.org/10.46269/7118.287

Palavras-chave:

Programa Minha Casa Minha Vida, PT (Partido dos Trabalhadores), Indicadores sociais, Gestão do social contemporânea, Neoliberalismo.

Resumo

Este artigo discute a produção dos indicadores habitacionais no contexto do “Lulismo” (PT, 2003-2016) e das mudanças políticas e econômicas no Estado brasileiro a partir da Constituição de 1988, e do alinhamento neoliberal. O foco central é o Programa Minha Casa Minha Vida (2009) e a produção dos indicadores habitacionais que justificam sua própria existência. Assim, exploramos as instituições que produzem os indicadores e como eles são apropriados durante a cadeia produtiva, especialmente pelo capital imobiliário, com a finalidade de gerar lucros a partir de uma política social. Assim, a regulação dos conflitos sociais entre o mercado e a população se realinha também, uma vez que o Estado, agora, parece contribuir para desenvolvimento do mercado, por meio de parcerias público/privado.

Biografia do Autor

Thalles Vichiato Breda, Programa de Pós Graduação em Sociologia, Universidade Federal de São Carlos.

Formado em Ciências Sociais pela UFSCAR, com habilitação em Sociologia e Ciência Política. Iniciação Cientiífica realizada na área de sociologia urbana e desenvolvimento do espaço urbano. Atualmente cursa o último semetre no mestrado em Sociologia, pela mesma instituição, com enfase na área de sociologia urbana, produção do espaço urbano, gestão do social contemporânea.

Referências

AMORE, C. S. “Minha Casa Minha Vida” para iniciantes. In: AMORE, C. S.; SHIMBO, L. Z.; RUFINO, M. B. C. (Orgs.). Minha casa...e a cidade? Avaliação do programa Minha Casa Minha Vida em seis estados brasileiros.1ª ed. Rio de Janeiro: Letra Capital, 2015, p. 11-28.

ANDERSON, P. Balanço do neoliberalismo. In: SADEr, E.; ENTILI, P. (orgs.). Pós-neoliberalismo: as politicas sociais e o Estado democrático. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1995, p. 9-23.

AVALIAÇÂO DE POLÍTICAS PÚBLICAS: PMCMV. Outubro, 2017. Disponível em: http://www2.camara.leg.br/orcamento-da-uniao/estudos/2017/InformativoAvaliacaoPoliticasPublicasPMCMV_WEB.pdf. Acessado em: 16/11/2017.

BRESSER PEREIRA, L. C. A reforma do Estado dos anos 90: lógica e mecanismos de controle. In: Lua Nova, nº 45, p.50-95, 1998.

CAIXA ECONÔMICA FEDERAL. Demanda habitacional no Brasil. Caixa Econômica Federal, Brasília, 2012.

CARVALHO, H. A. O. A Caixa Econômica Federal como agente da política habitacional: um estudo a partir do PAC e PMCMV em Carapicuíba. 2015, 200 p. Dissertação (Mestrado), Programa de Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo e área de concentração em Teoria e História da Arquitetura e do Urbanismo – Instituto de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo, 2015.

DONZELOT, J. La invención de lo social: ensayo sobre la declinación de las pasiones políticas. [1984] Ediciones Nueva Visión, Buenos Aires, 2007.

FUNDAÇÃO JOÃO PINHEIRO. Déficit habitacional no Brasil 2009. Centro de Estatística e Informações, Belo Horizonte, 2012.

FUNDAÇÃO JOÃO PINHEIRO. Déficit habitacional no Brasil 2013-2014. Fundação João Pinheiro. Centro de Estatística e Informações – Belo Horizonte, 2016.

FURTADO, B. A.; NETO, V. C. L.; KRAUSE, C. Nº1Estimativas do déficit habitacional brasileiro: (2007-2011) por municípios (2010), IPEA, Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada, 2013.

GEORGES, I. P. H ; RIZEK, C. S. CEBALLOS, M. As políticas sociais brasileiras – o que há de novo?. In: Caderno CRH. Salvador, v.27, n.72, set./dez, 2014, p. 457-460.

HIBOU, B. El delito económico y los modos neoliberales de gobierno: el ejemplo de la región mediterrânea. In: Revista Colombiana de Antropología, vol. 51, n.1, 2015. P. 161-189.

IVO, A. B. L. Viver por um fio: pobreza e política social. São Paulo: Annablume; Salvador: CRH/UFBA, 2008.

LAUTIER, B. O governo moral dos pobres e a despolitização das políticas públicas na América Latina. Tradução: RIZEK, C. S. In: Caderno CRH. Salvador, v.27, n.72, set./dez, 2014, p. 463-477.

RIZEK, C. S.; AMORE, C. S.; CAMARGO, C. M. Política social, gestão e negócio na produção das cidades: o Programa Minha Casa Minha Vida Entidades. Caderno CRH. Salvador, v. 27, n. 72, set./dez., 2014, p. 531-546.

RUFINO, M. B. C. Um olhar sobre a produção do PMCMV a partir de eixos analíticos. In: AMORE, C. S.; SHIMBO, L. Z.; RUFINO, M. B. C. (Orgs.). Minha casa...e a cidade? Avaliação do programa Minha Casa Minha Vida em seis estados brasileiros. Rio de Janeiro: Letra Capital, 2015, p. 51-72.

SHIMBO, L. Z. Habitação Social, Habitação de Mercado: a confluência entre Estado, empresas construtoras e capital financeiro. Tese (Doutorado em Arquitetura e Urbanismo) Instituto de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo, 2010.

SINGER, A.; LOUREIRO, Isabel (Orgs.). As contradições do Lulismo: a que ponto chegamos? São Paulo: Boitempo, 2016.

Publicado

2018-06-18