Quando Uma Aparente Saída ao Capitalismo é a Concreta Individualização: a Subjetividade de Bob Dylan na “Ruptura” com o Folk (1962-1966)

Autores

  • Filipe Moreno Horta

DOI:

https://doi.org/10.46269/6217.231

Palavras-chave:

Teoria Social

Resumo

Este trabalho pretende analisar o contexto e o evento de 25 de julho de 1965, quando Bob Dylan tocou com uma guitarra e acompanhado de uma banda elétrica durante o Newport Folk Festival. A hipótese central deste artigo é de que o capitalismo pode oferecer aparentes saídas de fuga ao indivíduo, porém, tais podem ser representadas como uma pintura de Escher, na qual o indivíduo, mesmo saindo de um plano, permanece no mesmo circuito retroalimentando processos aos quais está submetido historicamente e materialmente. Este caso empírico permite a observação de como a busca de si, o desejo por uma produção própria e em romper com laços limitantes de produção provocaram maior individualização, isolamento e maior capitalização sobre a produção artística justamente nos anos considerados como de ruptura

Referências

ARENDT, Hannah. Entre o passado e o futuro. São Paulo: Perspectiva, 2009.

CESAR, Ligia. Poesia e política nas canções de Bob Dylan e Chico Buarque. Dissertação (Mestrado em Literatura Inglesa) – Setor Ciências Humanas, Letras e Artes, Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 1990.

CLASTRES, Pierre. A sociedade contra o Estado: pesquisas de antropologia política. São Paulo: Cosac Naify, 2003.

EAT THE DOCUMENT. Direção: Bob Dylan e Donn Alan Pennebaker. Produção: Bob Dylan, 1972. DVD (54 min.), mono, color.

DON’T LOOK BACK. Direção: Donn Alan Pennebaker. Produção: COURT, John; GROSSMAN, Albert, 1967. DVD (96 min.), mono, preto e branco.

DYLAN, Bob. 1963. Transcript of Bob Dylan’s remarks at the Bill of Rights Dinner at the Americana Hotel on 12/13/63 [Online]. Corlis Lamont Organization. Disponível em: <http://www.corliss-lamont.org/dylan.htm>. Acesso em: 23/04/2017.

______. Interviews from the 60’s (1961-1969) [Online]. Disponível em: <http://www.interferenza.com/bcs/interv.htm>. Acesso em: 24/04/2017.

EPSTEIN, Daniel. A balada de Bob Dylan: um retrato musical. Rio de Janeiro: Zahar, 2012.

HONNETH, Axel. Liberty's entanglements: Bob Dylan and his era. Philosophy Social Criticism, v. 36, n. 7, p. 777-783, 2010.

I’M NOT THERE. Direção: Todd Haynes. Produção: VACHON, Christine; GOLDWYN, John, 2007. DVD (135 min.), son., preto e branco (parcialmente), color.

LÉVI-STRAUSS, Claude. Mito e significado. Coimbra: Edições 70, 1978.

MARX, Karl. Formações econômicas pré-capitalistas. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1985.

______. Manuscritos econômico-filosóficos. São Paulo: Boitempo, 2008.

______. Para a questão judaica. São Paulo: Expressão Popular, 2009.

______. Grundrisse: manuscritos econômicos de 1857-1858, esboços da crítica da economia política. Rio de Janeiro, Boitempo, 2011.

MARX, Karl; ENGELS, Friedrich. A ideologia alemã. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2007.

NO DIRECTION HOME. Direção: Martin Scorsese. Produção: LACY, Susan et al, 2005. DVD (208 min.), son., color.

SILVEIRA, Paulo. Da alienação ao fetichismo: formas de subjetivação e de objetivação. In: SILVEIRA, P.; DORAY, B. (Org.). Elementos para uma teoria marxista da subjetividade. Enciclopédia aberta da psique (Coleção), 1994, p. 41-76.

SHELTON, Robert. No direction home: a vida e música de Bob Dylan. São Paulo: Larousse, 2011.

Publicado

2018-03-01