Trabalhadoras domésticas que moram no local de trabalho: trabalho, trajetórias e migração

Autores

  • Marta Maria Valeriano Universidade Federal de Goiás.

DOI:

https://doi.org/10.46269/8219.223

Palavras-chave:

Trabalhadoras domésticas, Trajetórias, Migração, Goiânia.

Resumo

O artigo analisa o trabalho, as trajetórias e os processos migratórios de trabalhadoras domésticas que moram nas residências em que trabalham. Trata-se de um estudo de caso na cidade de Goiânia-GO. Com trajetórias marcadas pela pobreza e o trabalho doméstico infantil, as trabalhadoras, em maioria jovens, negras e migrantes, encontraram na migração uma oportunidade de acesso a melhores condições de trabalho e aumento de renda. A moradia na casa dos patrões pessoaliza a relação de trabalho, fazendo com que as subjetividades interfiram na efetivação dos direitos conquistados pelas trabalhadoras domésticas. A efetivação desses direitos é fundamental para que se possa romper com o ciclo de desigualdades que as levaram ao trabalho doméstico remunerado.

Biografia do Autor

Marta Maria Valeriano, Universidade Federal de Goiás.

Doutoranda no Programa de Pós-Graduação em Sociologia, Faculdade de Ciências Sociais, Universidade Federal de Goiás. Pesquisadora do Núcleo de Estudos sobre o Trabalho (NEST).

Referências

BRITES, Jurema. Domestic Service, Affection and Inequality: Elements of a Study of Subordination. Women's Studies International Forum, v. 46C, p. 32-74, 2014.

_________. Trabalho doméstico: questões, leituras e políticas. Cadernos de Pesquisa, Rio de Janeiro, v. 43, p. 422-451, 2013.

BRUSCHINI, Cristina.; LOMBARDI, Maria. R. A bipolaridade do trabalho feminino no Brasil contemporâneo. Cadernos de Pesquisa, n. 110, p. 67-104, 2000.

DUBAR, Claude. A socialização. Construção das identidades sociais e profissionais. São Paulo: Martins Fontes, 2005.

DURHAM, Eunice. A caminho da cidade: a vida rural e a migração para São Paulo: Ed. Perspectiva, 1978.

FRAGA, Alexandre B. De empregada a diarista: As novas configurações do trabalho doméstico remunerado. Dissertação de mestrado. Programa de Pós-Graduação em Sociologia e Antropologia da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, 2010.

FURNO, Juliane; VIECELI, Cristina P.; HORN, Carlos. Recessão econômica e emprego doméstico no Brasil. In: XVI Encontro Nacional da ABET, Salvador, Anais, 2019.

GIRARD-NUNES, Christiane. F.; SILVA, Pedro. H. I. Entre o prescrito e o real: o papel da subjetividade na efetivação dos direitos das empregadas domésticas no Brasil. Sociedade e Estado, v. 28, n. 3, 2013.

GUERRA, Maria de Fátima L. Trabalhadoras domésticas no Brasil: coortes, formas de contratação e famílias contratantes. Tese de doutorado. Programa de Pós-Graduação em Demografia da Faculdade de Ciências Econômicas da Universidade Federal de Minas Gerais. Belo Horizonte, 2017.

HIRATA, Helena Gênero, classe e raça: interseccionalidade e consubstancialidade das relações sociais. Tempo social, São Paulo, v. 26, n. 1, 2014.

HOCHSCHILD, Arlie Russel. “As cadeias globais de assistência e a mais-valia emocional”. In: HUTTON, Will; GIDDENS, Anthony. No limite da racionalidade – convivendo com o capitalismo global. Rio de Janeiro: Record, p. 187-209, 2004.

KERGOAT, Danièle. Dinâmica e consubstancialidade das relações sociais. Novos estud. - CEBRAP, São Paulo, n. 86, p. 93-103, Mar. 2010.

LISBOA, Teresa. K.. Fluxos migratórios de mulheres para o trabalho reprodutivo: a globalização da assistência. Estudos Feministas, Florianópolis, 15(3), setembro-dezembro/2007.

LOPES, Renata. B. De casa para outras casas: trajetórias socioespaciais de trabalhadoras domésticas residentes em Aparecida de Goiânia e trabalhadoras em Goiânia. Dissertação de mestrado – Universidade Federal de Goiás, Instituto de Estudos Sócio-Ambientais – Goiânia, 2008.

MADEIRA, Felícia. R. A trajetória das meninas dos setores populares: escola, trabalho ou reclusão. In: MADEIRA, F. R. (Org.) Quem mandou nascer mulher? Estudos sobre crianças e adolescentes pobres no Brasil. Rio de Janeiro. Record/Rosa dos tempos p. 45-133, 1997.

MELO, Hildete. P. De criadas a trabalhadoras. Estudos Feministas. Rio de Janeiro: IFCS/UFRJ, v.6, n.2, p.323-357, 1998.

NUNES, Jordão. H. Dilemas identitários no mundo dos serviços: da invisibilidade à interação. Sociologias, Porto Alegre, ano 16, n. 35, p. 238-273, jan/abr 2014.

SANTANA, Munich V. As condições e o sentido do trabalho doméstico realizado por adolescentes que residem no local de emprego. Dissertação (Mestrado em psicologia) Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2003.

SANTOS, Neville. J. V. Desigualdade e identidade no serviço doméstico: intersecções entre classe, raça e gênero. Dissertação (Mestrado em Sociologia). Universidade Federal de Goiás. Goiânia, 2010.

SOUZA, Leda M. T. de. Dependência de Empregada: O espaço da Exclusão. Dissertação de Mestrado. Departamento de Serviço Social, Universidade Federal de Pernambuco, 1991.

VALERIANO, Marta, M.. Elas são quase da família: trabalho, identidades e trajetórias de domésticas residentes. Dissertação (Mestrado em Sociologia) - Programa de Pós-Graduação em Sociologia, UFG, Goiânia, 2017.

Publicado

2020-08-24