Chamados ao entretenimento: a estratégia do evangelicalismo pentecostal na busca por espaço no e por mercado religioso brasileiro.

Autores

  • Douglas Souza Santos Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho - FCLAr
  • José Lucas da Silva Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho - FCLAr
  • Pedro Augusto Ceregatti Moreno Universidade Federal de São Carlos - UFSCar

DOI:

https://doi.org/10.46269/6117.208

Palavras-chave:

religião e entretenimento, pentecostalismo, mercado religioso, Hillsong,

Resumo

Sabe-se, de acordo com os dados dos últimos censos demográficos brasileiros (sobretudo de 1980 a 2010), que as vertentes evangélicas pentecostais estão entre as experiências religiosas que mais crescem no campo religioso do país. Caracterizadas pelo forte apelo ao emocionalismo, as igrejas pentecostais se inscrevem numa gama de religiões conversionistas que tem usado o entretenimento como uma de suas principais ferramentas proselitistas. Olhando para casos específicos de denominações pentecostais, especialmente para a em processo de implementação no Brasil, a transnacional Igreja Hillsong, o presente trabalho busca relacionar tal estratégia à busca de espaço no e por mercado religioso.

Referências

ALENCAR, Gedeon Freire. Pentecostalismo clássico: Congregação Cristã do Brasil e Assembleias de Deus–construção e identidade. Protestantes, evangélicos e (neo) pentecostais: história, teologias, igrejas e perspectivas. Zwinglio Mota Dias, Rodrigo Portella e Elisa Rodrigues (Org.). São Paulo: Fonte Editorial, p. 167-185, 2013.

BASTIAN, Jean Pierre. Breve historia del protestantismo en América Latina. Casa Unida de Publicaciones, 1986.

BERGER, P. L. O dossel sagrado: elementos para uma teoria sociológica da religião. São Paulo (SP): Paulus, 1985.

BOBINEAU, Olivier; TANK-STORPER, Sébastien. Sociologia das Religiões. Edições Loyola, 2011.

DE CAMARGO, Candido Procopio Ferreira; DE SOUZA, Beatriz Muniz. Católicos, protestantes, espíritas. Editora Vozes, 1973.

CAMPOS, Leonildo Silveira. As origens norte-americanas do pentecostalismo brasileiro: observações sobre uma relação ainda pouco avaliada. Revista USP, n. 67, p. 100-115, 2005.

______________________. A identidade protestante tradicional: desafios da secularização e do crescimento do pentecostalismo brasileiro. Protestantes, evangélicos e (neo) pentecostais: história, teologias, igrejas e perspectivas. Zwinglio Mota Dias, Rodrigo Portella e Elisa Rodrigues (Org.). São Paulo: Fonte Editorial, p. 215-234, 2013.

CUNHA, Magali do Nascimento. “VINHO NOVO EM ODRES VELHOS”. Um olhar comunicacional sobre a explosão gospel no cenário religioso evangélico no Brasil. Tese (doutorado). Escola de Comunicação e Artes da Universidade de São Paulo, USP, São Paulo, 2004.

DE MATOS, Alderi Souza. O MOVIMENTO PENTECOSTAL: REFLEXÕES A PROPÓSITO DO SEU PRIMEIRO CENTENÁRIO–PARTE 1. Vox Faifae: Revista de Teologia da Faculdade FAIFA, v. 3, n. 1, 2011.

DE SOUZA, André Ricardo. O pluralismo cristão brasileiro. Caminhos, v. 10, n. 1, p. 129-141, 2012.

FELTRIN, Ricardo. Entenda o Hillsong, um dos maiores fenômenos do gospel mundial. 2015. Disponível em: . Acesso em: 11 out. 2016.

FERNANDES, Rubem César. Novo nascimento: os evangélicos em casa, na igreja e na política. Mauad Editora Ltda, 1998.

FERREIRA, Manuela Lowenthal. Mercado e discurso na igreja neopentecostal Bola de Neve. Revista ESCRITAS, Vol. 8 n. 1 (2016) p. 55-69.

FRESTON, Paul. Prostestantes e política no Brasil: da constituinte ao impeachment. 1993. Campinas, Tese de doutorado em sociologia, IFCH-Unicamp.

_____________. "Neo-Pentecostalism" in Brazil: Problems of Definition and the Struggle for Hegemony. Archives de sciences sociales des religions, p. 145-162, 1999.

HOLLENWEGER, Walter J. El pentecostalismo: historia y doctrinas. Ed. La Aurora, 1976.

______________________. Pentecostalism: Origins and developments worldwide. Hendrickson publishers, 1997.

HOUSTON, Brian. A Igreja Que Agora Vejo. 2014. Disponível em: . Acesso em: 14 out. 2016.

MARTIN, David; BERGER, Peter; BERGER, Peter L. Tongues of fire: The explosion of Protestantism in Latin America. Oxford: Blackwell, 1993.

MARIANO, Ricardo. Expansão pentecostal no Brasil: o caso da Igreja Universal. Estudos avançados, v. 18, n. 52, p. 121-138, 2004.

________________. Mudanças no campo religioso brasileiro no censo 2010. Debates do NER, v. 2, n. 24, p. 119-137, 2013.

________________. Neopentecostais: sociologia do novo pentecostalismo no Brasil. São Paulo (SP): Edições Loyola, 1999.

MCLOUGHLIN, William G. Revivals, awakenings, and reform. University of Chicago Press, 2013.

MENDONÇA, Antônio Gouvêa. Introdução ao protestantismo no Brasil. Edições Loyola, 1990.

MENDONÇA, Antônio Gouvêa; CAMPOS, Leonildo Silveira. Protestantes, pentecostais & ecumênicos: o campo religioso e seus personagens. São Bernardo do Campo (SP): Universidade Metodista de São Paulo, 1997.

ORO, Ari Pedro. Avanço pentecostal e reação católica. Petrópolis (RJ): Vozes, 1996.

PIERUCCI, Flávio. "Bye bye, Brasil": O declínio das religiões tradicionais no Censo 2000. Estudos Avançados (USP), v. 18, n. 52, p. 17-28, 2004.

_______________. Religião como solvente: uma aula. Novos Estudos-CEBRAP, n. 75, p. 111-127, 2006.

SANTOS, Douglas Alessandro Souza; SILVA, José Lucas da Silva. Religião em declínio no brasil? Um balanço socioantropológico sobre a mobilidade religiosa brasileira no início do século XXI como contraponto ao paradigma clássico da secularização. Revista Escritas, Vol. 8 n. 1 (2016) p. 5-22.

SANTOS, Jair Ferreira dos. O que é Pós-Moderno. Coleção Primeiros Passos 165. São Paulo: Editora Brasiliense, 1986.

ROEDER, Mark A.; WALLIS, Jim. The Great Awakening: Reviving Faith & Politics in a Post-Religious Right America. Harper Collins, 2008.

TAMAMOTO, Vinicius. Hillsong, a igreja ‘hipster’ que atraiu Justin Bieber e busca sede em São Paulo. 2015. Disponível em: . Acesso em: 13 out. 2016.

TRACY, Joseph. The Great Awakening: A History of the Revival of Religion in the time of Edwards and Whitefield. Charles Tappan, 1845.

Publicado

2017-09-21