Religiosos sem religião: nuances sociais de uma tendência

Autores

  • Thaís Silva de Assis Programa de Pós-Graduação em Sociologia e Antropologia da Universidade Federal do Rio de Janeiro (PPGSA/IFCS/UFRJ)

DOI:

https://doi.org/10.46269/6117.200

Palavras-chave:

movimentos religiosos, sem religião, classes médias urbanas

Resumo

Este artigo aborda a temática das formas contemporâneas de expressão religiosa das classes médias urbanas brasileiras. O ponto de partida da reflexão aqui apresentada é o fenômeno de ampliação da diversidade religiosa no Brasil e também a tendência de crescimento do grupo declarado “sem religião”. Em referência à conjuntura desses movimentos do campo religioso nacional, o texto apresenta discussões sociológicas e dados empíricos sobre experiências religiosas não-tradicionais e não-convencionais. O objetivo é considerar o que significa ser religioso e, por extensão, não ser religioso atualmente.

Biografia do Autor

Thaís Silva de Assis, Programa de Pós-Graduação em Sociologia e Antropologia da Universidade Federal do Rio de Janeiro (PPGSA/IFCS/UFRJ)

Mestranda pelo Programa de Pós-Graduação em Sociologia e Antropologia da Universidade Federal do Rio de Janeiro (PPGSA/IFCS/UFRJ). Tem interesse na área de Sociologia da Religião e pesquisa expressões religiosas de inspiração hindu.

Referências

ALMEIDA, Ronaldo. Religião em transição. In: MARTINS, C.; DUARTE, L. (Orgs.). Horizontes das Ciências Sociais no Brasil – Antropologia. São Paulo: ANPOCS, 2010.

AMARAL, Leila. Carnaval da alma: comunidade, essência e sincretismo na Nova Era. Petrópolis: Vozes, 2000.

AMMERMAN, Nancy T. Everyday Religion: Observing Modern Religious Lives. UK: Oxford University Press, 2006.

ARNAL, William. Definition. In: BRAUN, Willi & MCCUTCHEON, Russell (Eds.). Guide to the Study of Religion. London: Continuum, 2000.

ASAD, Talal. Genealogies of Religion: Discipline and Reasons of Power in Christianity and Islam. Baltimore and London: The Johns Hopkins University Press, 1993.

FERNANDES, Silvia. Reconstrução da identidade religiosa. IHU On-Line, ago. 2012. Disponível em: <http://www.ihu.unisinos.br/entrevistas/511249-estamos-falando-de-re-construcao-de-identidade-religiosa-entrevista-especial-com-silvia-fernandes>. Acesso em Maio de 2016.

GIUMBELLI, Emerson. A noção de crença e suas implicações para a modernidade: um diálogo imaginado entre Bruno Latour e Talal Asad. Horizontes Antropológicos, Porto Alegre, ano 17, n. 35, p. 327-356, 2011.

LEE, Lois. Research Note: Talking about a Revolution: Terminology for the New Field of Non-religion Studies. Journal of Contemporary Religion, 27:1, 129-139, 2012.

___________. Secular or nonreligious? Investigating and interpreting generic ‘not religious’ categories and populations. Religion, 44:3, 466-482, 2014.

LUCIA, Amanda J. Hinduism without religion: Amma’s movement in America. Cross Currents, v. 61, n. 3, 2011, p. 374-398.

____________. Innovative gurus: tradition and change in contemporary Hinduism. International Journal of Hindu Studies, v. 18, n. 2, 2014, p. 221-263.

MARTÍN, Eloísa. From popular religion to practices of sacralization: approaches for a conceptual discussion. Social Compass, v. 56, n. 2, 2009, p. 273-285.

MARIANO, Ricardo. Mudanças no campo religioso brasileiro no Censo 2010. Debates do NER, Porto Alegre, ano 14, n. 24, p. 119-137, 2013.

MCCUTCHEON, Russell. Manufacturing religion: The discourse on sui generis religion and the politics of nostalgia. Oxford: Oxford University Press, 1997.

MCGUIRE, Meredith. Lived religion: faith and practice in everyday life. Oxford: Oxford University Press, 2008.

MENEZES, Renata de Castro. Censo 2010, fotografia panorâmica da vida nacional. IHU On-Line, n. 400, 2012. Disponível em: <http://www.ihuonline.unisinos.br/index.php?option=com_content&view=article&id=4588&secao=400>. Acesso em Julho de 2016.

_____________. Religiões, números e disputas sociais. In: Religiões em conexão: números, direitos, pessoas. CUNHA, C; MENEZES, R. (Orgs.). Rio de Janeiro: ISER, 2014.

NEGRÃO, Lísias. Religião: pluralismo, percursos e multiplicidades. In: NEGRÃO, L. (Org.). Novas Tramas do Sagrado: Trajetórias e Multiplicidades. São Paulo: EdUSP, 2009.

_____________. Trajetórias do sagrado. Tempo Social, São Paulo, v. 20, n. 2, p. 115-132, 2008.

NOVAES, Regina. Os jovens “sem religião”: ventos secularizantes, “espírito de época” e novos sincretismos. Notas preliminares. Estudos avançados, São Paulo, 18 (52), p. 321-330, 2004.

PIERUCCI, Antônio Flávio. O crescimento da liberdade religiosa e o declínio da religião tradicional: a propósito do Censo de 2010. In: TEIXEIRA, Faustino; MENEZES, Renata (Orgs.). Religiões em movimento: o censo de 2010. Petrópolis: Vozes, 2013, p. 46-61.

___________. Religião como solvente: uma aula. Novos estudos – CEBRAP [online]. 2006, n.75, pp. 111-127.

PIERUCCI, Antônio Flávio & MARIANO, Ricardo. Sociologia da religião, umasociologia da mudança.In:MARTINS, Heloísa Helena T. de Souza (org.).Horizontes das Ciências Sociais no Brasil. São Paulo: Anpocs, 2010.

SANCHIS, Pierre. As religiões dos brasileiros. Horizonte, Belo Horizonte, vol 1, nº2, p. 28-43, 1997a.

_____________. O campo religioso contemporâneo no Brasil. In: ORO, ARI Pedro; STEIL, Carlos Alberto (Orgs.). Globalização e Religião. Petrópolis: Vozes, 1997b.

_____________. O campo religioso será ainda hoje o campo das religiões?. In: HOORNAERT, Eduardo. História da Igreja na América Latina e no Caribe: O debate metodológico. Petrópolis: Vozes, 1995.

_____________. Pluralismo, transformação, emergência do indivíduo e de suas escolhas. IHU On-Line, ago. 2012. Disponível em:<http://www.ihu.unisinos.br/entrevistas/512850-pluralismo-transformacao-emergencia--do-individuo-e-de-suas-escolhas>. Acesso em Maio de 2016.

SIQUEIRA, Deis. A labiríntica busca religiosa na atualidade: crenças e práticas místico-esotéricas na capital do Brasil. In: SIQUEIRA, D; LIMA, R. B. (Orgs.). Sociologia das adesões: novas religiosidades e a busca místico-esotérica na capital do Brasil. Rio de Janeiro: Garamond, 2003.

___________. Labirinto religioso ocidental: da religião à espiritualidade, do institucional ao não-convencional. Sociedade e Estado, Brasília, v. 23, n. 2, p. 425-462, 2008.

___________. Pluralidade e trânsito religioso entre as novas religiosidades:sincretismo brasileiro constituinte. I Simpósio de Religião e História, Faculdade de Ciências e Letras da UNESP, 1999.

SOARES, Edio. Le butinage religieux: pratiques et pratiquants au Brésil. Paris: Karthala, 2009.

WOODHEAD, Linda. Five concepts of religion. International Review of Sociology, v. 21, n. 1, 2011, p. 121-143.

Publicado

2017-09-21