A representação racial da advocacia brasileira na Revista Análise Advocacia 500

Autores

  • Marcelo Rocha dos Santos Mestrando em Sociologia - Programa de Pós-Graduação em Sociologia – UFSCar. Bacharel em Direito – Universidade Católica de Salvador (UCSAL).
  • Ivanilda Amado Cardoso Doutoranda em Educação pela Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), SP. Mestre em Educação – PPGE/UFSCar. Graduada em Pedagogia- Universidade Estadual Paulista (UNESP), campus Marília, SP.

DOI:

https://doi.org/10.46269/5216.189

Palavras-chave:

Advocacia, Fotografia, Iconografia, Raça, Ações afirmativas.

Resumo

Considerando a implementação das políticas de ações afirmativas no ensino superior, nas instituições públicas e privadas, esse ensaio busca discutir em que medida tal política tem impactado o mercado profissional da advocacia privada, através de uma análise iconográfica realizada na revista “Análise Advocacia 500 – Os escritórios e os advogados mais admirados do Brasil” edição 2015 comemorativa pelos 10 anos da publicação. As fotografias dos profissionais que ilustram essa publicação foram analisadas com o objetivo de verificar qual o perfil racial dos profissionais considerados mais admirados na advocacia brasileira tomando como parâmetro a composição racial da população brasileira verificada no Censo 2010.

Referências

BONELLI, M.G. Profissionalismo e Política no Mundo do Direito. Edufscar, 2002.

______. CUNHA, L.G; OLIVEIRA, F.L e SILVEIRA, M.N B. 2008 “Profissionalização por gênero em escritórios paulistas de advocacia”. Tempo Social.

______. Rev. bras. Ci. Soc. 2013, vol.28, n.83, pp. 125-140. ”Profissionalismo, diferença e diversidade na advocacia e magistratura paulistas”.

______. As Ciências Sociais no Sistema das Profissões: mercado de trabalho e identidade profissional dos cientistas sociais. 1993, 323f Tese (Doutorado em Ciências Sociais) Universidade Estadual de Campinas, Campinas-SP.

FERES JÚNIOR, João; DAFLON, Verônica. Políticas da igualdade racial no ensino superior (2013).

FERNANDES, F. A integração do negro na sociedade de classes. Globo. ([1965] 2008).

Figueiredo, A. Novas Elites de Cor: Estudo sobre os Profissionais Liberais Negros de Salvador, SP, Annablume, 2002.

FREIDSON, E. (1988) Renascimento do profissionalismo: teoria, profecia e política. Tradução de Celso Mauro Paciornik. São Paulo, edusp. 1988.

________. (1996) ‘Para uma análise comparada das profissões: a institucionalização do discurso e do conhecimento formais’. Rev. Brasileira de Ciências Sociais, 31:156-177.

GUIMARÃES, A.S. Racismo e antirracismo no Brasil. São Paulo: Editora 3, 1999.

________. Como trabalhar “raça” em sociologia. Educação e pesquisa, São Paulo, v. 29, n.1, p. 93-107, jan/jun.2003.

http://www.oab.org.br/noticia/28061/com-acoes-afirmativas-oab-registra-1-300-advogados-negros-por-mes - Acessado em 10/07/2016.

KOSSOY, Boris. Realidade e ficções na trama fotográfica. SP. 3ªEd. Ateliê Editorial. 2002.

MUNANGA, K. Uma abordagem conceitual das noções de raça, racismo, identidade e etnia. In: BRANDÃO, A. (Org) P. Programa de Educação sobre o negro na sociedade brasileira. Rio de Janeiro: EDUFF, 2004.

NOGUEIRA, Oracy. Preconceito racial de marca e preconceito racial de origem: sugestão de um quadro de referência para a interpretação do material sobre relações raciais no Brasil. Tempo soc. [online]. 2007, vol.19, n.1, pp.287-308.

Ordem dos Advogados do Brasil. Exame de Ordem em números,2014. Disponível em: http://fgvprojetos.fgv.br/publicacao/exame-de-ordem-em-numeros

OSÓRIO, R.G. Desigualdade racial e mobilidade social no Brasil: um balanço das teorias. In: THEODORO, M. (Org) As Políticas públicas e a desigualdade racial no Brasil 120 anos após a abolição. Brasilia: Ipea, 2008. 176p.

___________. O Sistema Classificatório de “Cor ou Raça” do IBGE. In: Textos para Discussão IPEA, nº.996. Brasília: IPEA, novembro de 2003.

Os escritórios e os advogados mais admirados do Brasil, Análise advocacia 500. Análise Editorial, São Paulo, n. 10, nov. 2015.

Publicado

2017-02-07