Continuidades e descontinuidades entre trabalho de cuidado não remunerado e remunerado: por uma análise a partir da desvalorização e das demandas emocionais do trabalho

Autores

  • Anna Bárbara Araujo Possui graduação em Ciências Sociais com habilitação em Sociologia pela Universidade de Brasília (UnB), sua monografia discorreu sobre o cuidado em equoterapia. Hoje cursa o segundo ano do mestrado pelo Programa de Pós-Graduação em Sociologia e Antropologia da Universidade Federal do Rio de Janeiro (PPGSA-UFRJ) e tem interesse nos temas de cuidado e divisão sexual do trabalho. Atualmente pesquisa a relação entre a família de idosos, cuidadoras e empresas que agenciam os serviços destas no que toca os modos de compreensão do que é e do que deve ser o cuidado. É também assistente editorial da Current Sociology.

DOI:

https://doi.org/10.46269/3214.152

Palavras-chave:

Cuidado, Trabalho de Cuidado, Desvalorização do Trabalho Feminino.

Resumo

O presente artigo discute o cuidado a partir da articulação entre trabalho produtivo e trabalho reprodutivo. São brevemente apresentadas as mudanças históricas ocorridas no contexto do cuidado, para em seguida refletir sobre sua dimensão generificada, corporal e subalterna que contribuem para sua desvalorização e para o desequilíbrio de poderes entre homens e mulheres. Em seguida são analisadas as demandas emocionais do trabalho de cuidado pago – especialmente o cuidado de idosos – frente às exigências de sua transformação em mercadoria.

Referências

ARAUJO, Anna Bárbara. “Trabalho e Afeto: a relação entre cuidadores e idosos em uma Instituição de Longa Permanência”. Revista Habitus, v. 9, 2011.

BATISTA, Analía Soria; ARAUJO, Anna Bárbara. “Intimidade e mercado: o cuidado de idosos em instituições de longa permanência”. Sociedade e Estado, v. 26, 2011.

BOURDIEU, Pierre. A Distinção: Crítica Social do Julgamento. São Paulo: Edusp; Porto Alegre: Zouk, 2007. ______. A Dominação Masculina. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2002.

BRUSCHINI, Maria Cristina. “Trabalho doméstico: inatividade econômica ou trabalho não remunerado?”. In: ARAÚJO, Clara; PICANÇO, Felícia. E SCALON, Celi. (orgs). Nova Conciliações e antigas tensões? Gênero, família e trabalho em perspectiva comparada. Bauru: EDUSC, 2007.

CAMARANO, Ana Amélia. (coord.) Características das Instituições de Longa Permanência para Idosos: Região Centro-Oeste. Brasília: IPEA, 2008.

CAMARANO, Ana Amélia et al.. "Como vive o idoso brasileiro?". In: CAMARANO, A. A. (org.). Muito além dos60:osnovosidososbrasileiros. RiodeJaneiro:IPEA,1999.

CROMPTON, Rosemary. Employment and the Family: The Reconfiguration of Work and Family Life in Contemporary Societies. Cambridge: University Press, 2006.

DEVREUX, Anne-Marie. “A teoria das relações sociais de sexo: um quadro de análise sobre a dominação masculina”. Sociedade e Estado, volume 20, n.3, 2005.

DOUGLAS, Mary. Pureza e Perigo. Lisboa: Edições 70, 1991.

ENGLAND,Paula. “EmergingTheoriesofCareWork”. AnnualReviewofSociology,vol.31,2005.

GUTIÉRREZ-RODRÍGUEZ,Encarnation. “The"HiddenSide"oftheNewEconomy:OnTransnational Migration,DomesticWork,andUnprecedentedIntimacy”. Frontiers:AJournalofWomenStudies, vol.28, n. 3, 2007.

HIRATA, Helena; GUIMARÃES, Nadya. “Cuidado e cuidadoras: o trabalho de care no Brasil, França e Japão”. Revista de Sociologia e Antropologia, vol. 01, n. 01, 2011.

_____. “Introdução”. In: HIRATA, Helena; GUIMARÃES, Nadya. Cuidado e Cuidadoras: as várias faces do trabalho de care. São Paulo: Editora Atlas, 2012.

HIRATA, Helena; KERGOAT, Daniele. “A divisão do trabalho revisitada”. In:

HIRATA, Helena. e MARUANI, Margaret. (Orgs). As Novas Fronteiras da Desigualdade: homens e mulheres no mercado de trabalho, 2003.

HOCHSCHILD, Arlie. “Nos bastidores do livre mercado local: babás e mães de aluguel”. In: HIRATA, Helena;

GUIMARÃES, Nadya. Cuidado e Cuidadoras: as várias faces do trabalho de care. São Paulo: Editora Atlas, 2012.

HUGHES, Everett C. "Good people and dirty work". In: The Sociological Eye. New Brunswick: Transaction Publishers, 1993.

ORTNER, Sherry B. “Está a mulher para o homem assim como a natureza para a cultura?”. In: MICHELLE, Zimbalist Rosaldo; LAMPHERE, Louise. A mulher a cultura a sociedade. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1979.

_____. “Gender Hegemonies”. Cultural Critiques, no. 14, 1990.

SINGLY, François de. Sociologia da família contemporânea. Trad. Clarice Ehlers Peixoto. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2007.

TRONTO, Joan. “Assistência democrática e democracias assistenciais”. Sociedade e Estado, v. 22, n. 2, 2007.

TWIGG, Julia. “Carework as a form of bodywork”. Ageing and Society, vol. 20, 2000.

TWIGG, Julia et.al.. “Conceptualising body work in health and social care”. Sociology of Health & Illness, vol. 33, n. 2, pp. 171-188, 2011.

WEEKS, Kathi. “Vida no e contra o trabalho: afetos, crítica feminista e política pós-fordista”. Lugar Comum, n. 25-26, 2008.

ZELIZER, Viviana. “A Economia do care”. In: HIRATA, Helena; GUIMARÃES, Nadya. Cuidado e Cuidadoras: as várias faces do trabalho de care. São Paulo: Editora Atlas, 2012.

Publicado

2014-05-18