Gênero, poder e vocação religiosa: um breve ensaio

Autores

  • Vanessa de Faria Berto Doutoranda do Programa de Pós-graduação em Ciências Sociais da Universidade Estadual Paulista, UNESP, Campus de Marília. Mestre em Ciências Sociais pela mesma instituição. Membro do Laboratório Interdisciplinar de Estudos de Gênero (LIEG) e do Grupo de Pesquisa – CNPq “Cultura e Gênero”.

DOI:

https://doi.org/10.46269/3214.151

Palavras-chave:

Gênero, Poder, Vocação religiosa, Ordens católicas

Resumo

No campo das Ciências Sociais, podemos encontrar estudos recentes que privilegiam questões de representação social e de hierarquia da Igreja Católica em relação a seus integrantes, mulheres e homens. Contudo, pesquisas antropológicas que focalizam diretamente as disposições da inclinação religiosa feminina e masculina dentro do catolicismo são parcas, principalmente na contemporaneidade. O presente ensaio representa algumas reflexões teóricas sobre o tema, uma vez que este é justamente o foco de minha tese de doutorado, em andamento. Neste sentido, o texto a seguir procura explanar sobre as relações entre as principais categorias utilizadas nesta investigação, quais sejam, gênero, poder e vocação religiosa.

 

Referências

ABRAMOVAY, Míriam. CASTRO, Mary Garcia (orgs.). Engendrando um novo feminismo: mulheres líderes de base. Rio de Janeiro: UNESCO/ CEPIA, 1998.

ALMEIDA, Ronaldo de. Religião em transição. In: MARTINS, C. B. & DURATE, L. F. D. (orgs.). Horizontes das Ciências Sociais no Brasil: antropologia. São Paulo: ANPOCS, 2010. p. 65-83.

BOURDIEU, Pierre. Das regras às estratégias. In: Ibidem. Coisas ditas. São Paulo, Brasiliense, 1998. p.77- 95.

_______________. Gênese e estrutura do campo religioso. In: Ibidem. Economia das trocas simbólicas. São Paulo: Perspectiva, 2011. p. 27-69.

BUTLER, Judith. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. Tradução de Renato Aguiar. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003.

CERIS (Centro de Estatísticas Religiosas e Investigações Sociais). Censo Anual da Igreja Católica no Brasil: análise sociológica da evolução numérica da presença da Igreja no Brasil. 2010. Disponível em: <http://www.ceris.org.br/pdfs/analise_censo_igreja_2011.pdf>. Acesso em: 20 de maio de 2013.

DUPRONT, Alphonse. A religião católica: possibilidades e perspectivas. São Paulo: Edições Loyola, 1995.

FARGE, Arlette. PERROT, Michelle. Cultura e poder das mulheres: ensaio de Historiografia. Tradução de Rachel Soihet, Rosana M. Soares, Suely Gomes Costa. In: Gênero: Revista do Núcleo Interdisciplinar de estudos de gênero. Florianópolis: NUTEG/ UFSC, 2o semestre de 2001. N. 1, vol. 2, pp. 07-30.

FERNANDES, Silvia Regina Alves. A não-ordenação feminina: delimitando as assimetrias de gênero na Igreja Católica a partir de rapazes e moças vocacionados/as. Revista Estudos Feministas. Florianópolis: UFSC, mai/ago de 2005. N. 13, vol. 2, pp. 425-436.

___________________________. Impasses da vida religiosa em contexto multicultural: interpelações sociológicas sobre demandas de identidade. Cadernos de Ciências Humanas. Santa Catarina: UFSC, jul/dez de 2007. N. 18, vol. 10, pp. 679-701.

_________________________. Entre tensões e escolhas, um olhar sociológico sobre jovens na vida religiosa. Revista Sociedade e Estado, Brasília: UnB, set/dez. de 2011. N. 3, vol. 26, pp. 663-683.

HEILBORN, Maria Luiza. Usos e abusos da categoria gênero. In: HOLLANDA, H. B. (org.) Y Nosotras Latino americanas? Estudos sobre gênero e raça. Fundação Memorial da América Latina, 1992, pp. 39-44.

HERVIEU-LÉGER, Danièle. O peregrino e o convertido: a religião em movimento. Petrópolis: Vozes, 2008.

MACHADO, Maria das Dores Campos. Carismáticos e pentecostais: adesão religiosa na esfera familiar. Campinas, São Paulo: Autores Associados, ANPOCS, 1996.

RAGO, Margareth. Epistemologia feminista, gênero e história. In: PEDRO, Joana M. & GROSSI, Míriam P. (orgs.) Masculino, feminino, plural: gênero na interdisciplinaridade. Florianópolis: Editora Mulheres, 1998, pp. 17-35.

SAHLINS, Marshall. Ilhas de História. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 1999.

SANCHIS, Pierre. O repto pentecostal à “cultura católico-brasileira”. Revista de Antropologia, São Paulo: FFLCH/USP, 1994. Vol. 37, pp. 145-181.

_____________. As religiões dos brasileiros. Horizonte. Belo Horizonte: PUC Minas, 2o semestre de 1997.N. 2, vol. 1, pp. 28-43.

SCOTT, Joan W. Gênero: uma categoria útil de análise história. Revista Educação e Realidade, vol. 16, n. 2, Porto Alegre, jul./dez., 1990.

STEIL, Carlos. Pluralismo, modernidade e tradição: transformações do campo religioso. Ciencias Sociales y Religión. Porto Alegre: UFRGS, outubro de 2001. Ano 3, n. 3, p. 115-129.

TEIXEIRA, Faustino. Faces do catolicismo brasileiro contemporâneo. Revista USP. São Paulo: USP, set/nov. de 2005. N. 67, pp. 14-23.

VALADIER, Paul. Catolicismo e sociedade moderna. São Paulo: Edições Loyola, 1999.

Publicado

2014-05-18