Neodesenvolvimentismo, informalidade e nova morfologia do trabalho: reflexões sobre a precarização do trabalho no Brasil

Autores

  • Juliana Nunes Pereira Universidade Federal de Campina Grande
  • Fernanda Gomes Mattos Universidade Estadual da Paraíba

DOI:

https://doi.org/10.46269/5116.114

Resumo

No Brasil, após as crises da globalização neoliberal, fora instituído um paradigma de desenvolvimento alternativo, que ficou conhecido como neodesenvolvimentismo, implementado no governo Lula (2003-2008), com a perspectiva de articular o desenvolvimento capitalista com a adoção de politicas sociais e distribuição de renda. Isso implicou novas dimensões de precarização do trabalho e em grande medida, reflete a nova morfologia do trabalho, que apresenta a perspectiva de novas modalidades de trabalho, frente à crise do capital. Este artigo objetiva apresentar reflexões preliminares sobre o neodesenvolvimentismo, a informalidade e a acentuação da precarização do trabalho no Brasil.

Referências

ALVES, Giovanni. Neodesenvolvimentismo e precarização do trabalho no Brasil. Disponível em: http://blogdaboitempo.com.br/tag/neodesenvolvimentismo/. Acesso em: 17 out 2015.

ALVES, Maria; TAVARES, Maria. A dupla face da informalidade do trabalho: “autonomia” ou precarização, in: ANTUNES, R. (org.). Riqueza e miséria do trabalho no brasil, São Paulo, Boitempo, 2006. p. 425-444.

ANTUNES, Ricardo; BRAGA, Ruy. Infoproletários. Degradação real do trabalho virtual, Boitempo, São Paulo, 2009.

ANTUNES, Ricardo. A nova morfologia do trabalho e as formas diferenciadas da reestruturação produtiva no Brasil dos anos 1990. Revista da Faculdade de Letras da Universidade do Porto, Vol. XXVII, pp. 11-25, 2014.

__________. Os sentidos do trabalho. Ensaios sobre a afirmação e a negação do trabalho: Boitempo, 2007.

BOITO JR, Armando; BERRINGER, Tatiana. Brasil: classes sociais, neodesenvolvimentismo e política externa nos governos Lula e Dilma, Revista de Sociologia Politica, Curitiba, v. 21,n. 47, pp. 31-38, 2013.

BOITO JR, Armando. O lulismo é um tipo de bonapartismo? Uma crítica às teses de

André Singer. Critica Marxista, v. 37, p. 171-181, 2013.

BOSCHI, Renato e LIMA, Maria Regina Soares. O Executivo e a construção do Estado no Brasil: do desmonte da Era Vargas ao novo intervencionismo regulatório. In: WERNECK, L. (org.). A democracia e os três poderes no Brasil. Belo Horizonte:,UFMG, Rio de Janeiro, 2002. p. 195-253.

CASTRO, Nadya . Reestruturação industrial e modernização tecnológica: impactos sobre o mundo do trabalho. Cadernos de Pesquisa - Reestruturação Produtiva e Novos Padrões nas Relações Capital-Trabalho, São Paulo, Cebrap, v. 1, n.1, p. 76-86, 1994.

DEDECCA, Cláudio. Desemprego: de nada adianta tapar o sol com a peneira. Indicadores Econômicos. Porto Alegre, v.26, n.2, 1998.

DIEESE (2015), Os números da rotatividade no Brasil: um olhar sobre os dados da Rais 2002 -2013. Disponível em: http://www.dieese.org.br/notaaimprensa/2014/numerosRotatividadeBrasil.pdf. Acesso em: 27 Set 2015.

DRUCK, Maria. Os sindicatos, os movimentos sociais e o governo Lula: cooptação e resistência. 2007. Disponível em: www.clacso.org.ar/biblioteca. Acesso em: 27 dez 2015.

GRAMSCI, Antônio. Maquiavel, a política e o estado moderno. Rio de Janeiro: Civ.

Brasileira, 1984.

GONZALEZ, Roberto et al .Regulação das relações de trabalho no Brasil: o marco constitucional e a dinâmica Constituinte Políticas Sociais – acompanhamento e análise, Brasil, IPEA, 17, vol. 2, 2009.

FILGUEIRAS, L. História do Plano Real. São Paulo: Boitempo, 2000.

IBGE (2015), Pesquisa mensal de emprego. Disponível em: http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/indicadores/trabalhoerendimento/pme_nova/default.shtm, Acesso em: 19set 2015.

KREIN, José. O aprofundamento da flexibilização das relações de trabalho no Brasil nos anos 90. 190 páginas. Dissertação (Mestrado) apresentada ao Instituto de Economia/UNICAMP, Brasil, 2001.

__________. Tendências recentes nas relações de emprego no Brasil. 1990-2005. 329 páginas. Tese (Doutorado) apresentada ao Instituto de Economia/UNICAMP, Brasil, 2007.

LIPIETZ, Alain O mundo do pós-fordismo. Disponível em: http://lipietz.net/. acesso em: 28 dez 2015.

LEITE, Rogério Proença. Contra-usos da cidade – Lugares e espaço público

na experiência urbana contemporânea. Campinas: Edunicamp/Editora UFS, 2004.

MALAGUTI, Manoel Luiz. Crítica à razão informal: a imaterialidade do salariado. São Paulo: Boitempo; Vitória: EDUFES, 2000.

MATTOSO, Jorge. “O Brasil desempregado”. São Paulo: Editora Perseu Abramo, 1999.

MATTEI, Lauro. Gênese e agenda do “novo desenvolvimentismo brasileiro”. In anais do IV Encontro Internacional da Associação Keynesiana Brasileira, Rio de Janeiro, 2011.

MENEZES, Mauro. A Reforma trabalhista no Cone Sul. São Paulo: Ildes/Friedrich Ebert Stiftung (mímeo), 2000.

OLIVEIRA, Francisco de. Crítica à razão dualista. Petrópolis: Vozes, 1987.

___________. O ornitorrinco. In: Crítica à Razão dualista/ O ornitorrinco. São Paulo: Boitempo, 2003.

PEREIRA, Juliana. O Programa Empreendedor Individual e as estratégias de formalização das actividades económicas no polo de confecções do Agreste Pernambucano. 173 páginas. Dissertação (mestrado) apresentada ao Programa de Pós-graduação em Ciências Sociais/UFCG, Brasil, 2011.

POCHMANN, Márcio. O emprego na globalização: a nova divisão

internacional do trabalho e os caminhos que o Brasil escolheu, Campinas,

Boitempo, 2001.

___________. O trabalho sob fogo cruzado: exclusão, desemprego e precarização no final do século. São Paulo: Contexto, 2002.

SILVA, Patrícia. A nova informalidade na região metropolitana de Salvador.

Salvador/BA. Dissertação (mestrado) apresentada ao Programa de Pós-graduação em Econômia/UFBA, 2003.

SOUZA SILVA, Sheyla. Contradições da Assistência Social no governo “neodesenvolvimentista” e suas funcionalidades ao capital, Revista Serviço Social e Sociedade, São Paulo, n. 113, pp. 86-105, 2013.

SANTOS, Wanderley Guilherme. Cidadania e justiça: a política social na ordem brasileira. 2ª edição, Rio de Janeiro: Editora Campus, 1987.

SUISSO, Flávia. Trabalho informal no Brasil contemporâneo. Revista eletrônica da

faculdade de direito de campos, Campos dos Goytacazes, RJ, v. 1, n. 1, 2006. Disponível

em: http://bdjur.stj.gov.br/xmlui/handle/2011/18551. Acesso em: 16 Nov 2010. TAVARES, Maria. Os fios (in)visíveis da produção capitalista: informalidade e

precarização do trabalho. . São Paulo: Cortez, 2004.

VÉRAS DE OLIVEIRA, Roberto. Para discutir os termos da nova informalidade: a questão da informalidade enquanto uma categoria de análise válida para a apreensão da realidade atual das relações de trabalho. In VI Congresso da Associação Latino-Americana de Sociologia do Trabalho, Cidade do México, 2010.

VESSAPOLLO, Luciano. O trabalho atípico e a precariedade, São Paulo, expressão popular, 2005.

___________.O trabalho atípico e a precariedade: elemento estratégico determinante do capital no paradigma pós-fordista, in Ricardo Antunes (org.), Riqueza e miséria do trabalho no Brasil, São Paulo, Boitempo, pp. 45-57, 2006.

Publicado

2016-05-11